Sinéquia uterina: o que é e como ela pode prejudicar a fertilidade

Gravidez e maternidade Saúde
18 de Abril, 2022
Sinéquia uterina: o que é e como ela pode prejudicar a fertilidade

A sinéquia uterina, também conhecida por síndrome de Asherman, é uma cicatriz localizada no útero, que pode ser única ou não. Suas causas são diversas, pois podem ser consequência de outras doenças relacionadas à saúde feminina. Principalmente quando envolvem procedimentos cirúrgicos no útero, que causam um trauma no órgão e formam uma ou mais sinéquias.

Veja também: Menstruação irregular: sintomas, causas e tratamentos

Causas da sinéquia uterina

Normalmente, a sinéquia uterina surge em casos de curetragem, intervenção necessária em cirurgia de cesárea (pós-parto) e abortos para retirar fragmentos da placenta e do endométrio. Dessa forma, existe o risco de machucar o endométrio, que é o tecido que reveste o interno do útero, formando camadas de tecido sobre a região afetada. O mesmo ocorre com outros tipos de cirurgia, como remoção de pólipos, endometriose e miomas. Além disso, infecções no sistema reprodutor e terapias de tratamento, como a radioterapia, podem favorecer o problema.

Sintomas

A maioria dos casos de sinéquia uterina é assintomático ou apresenta sintomas que a mulher não dá muita atenção. Alterações no ciclo menstrual podem ser um sinal, com sangramento irregular ou ausência de menstruação (amenorreia). Outro indício da sinéquia é a dificuldade para engravidar ou abortos espontâneos sucessivos, pois o tamanho e espessura da cicatriz podem obstruir a cavidade uterina. Contudo, tais sinais dependem do tamanho e estágio da cicatriz.

Estágios da sinéquia

Apesar de ser uma cicatriz, a sinéquia pode evoluir se não for tratada. Como resultado, é capaz de comprometer as funções do útero e impedir que a mulher engravide ou tenha uma gestação saudável. Veja os estágios da doença:

  • Leve: a cicatriz é pequena e a elevação do tecido é mais discreta. Possui menos acúmulo de tecido endometrial.
  • Moderada: mais fibrosa, ocupa maior espaço dentro do útero e já apresenta riscos de interromper a cavidade do órgão.
  • Grave: é ainda mais fibrosa e densa, além de ser maior. Nesse estágio, é mais difícil levar uma gravidez adiante, pois o útero não consegue desempenhar suas funções adequadamente.

Diagnóstico e tratamento

Para identificar a sinéquia uterina, o ginecologista poderá solicitar uma série de exames, principalmente a histeroscopia, uma avaliação de imagem que observa toda a cavidade interina e suas possíveis anormalidades. Outros como a ultrassonografia e a histerossonografia também podem ser úteis para auxiliar no fechamento do diagnóstico.

Já o tratamento irá depender do estágio da sinéquia uterina, tamanho e localização. Em casos menos complexos, é possível fazer a histeroscopia (mesmo exame que identifica a sinéquia) ambulatorial, uma forma menos invasiva de remover a sinéquia. Há ainda a alternativa de fazer a mesma intervenção, só que em centro cirúrgico.

Porém, nesse contexto, o ginecologista recomenda quando se trata de uma sinéquia em estágio severo e de maior porte — ou, ainda, quando a tentativa anterior de tratamento não obteve resposta. Como medida para evitar que a sinéquia se manifeste novamente, o ginecologista ainda pode sugerir um implante de DIU e uso de hormônios durante um período.

Sinéquia uterina e fertilidade

Muitas mulheres ficam inseguras ao descobrirem que são portadoras de uma ou mais sinéquias uterinas. No entanto, é possível engravidar com a condição, mas a gestação provavelmente apresentará riscos, sobretudo se a mulher já estiver grávida. Os riscos de enfrentar uma gravidez com sinéquia uterina são a possibilidade de aborto e parto prematuro, pois a extensão da cicatriz compromete o espaço que deveria ser assumido pelo feto. Ainda não existem estudos que relacionem a sinéquia uterina a malformações no bebê. Portanto, é importante fazer exames de rotina e sempre conversar com seu ginecologista sobre quaisquer sintomas.

Referências: Cleveland Clinic e National Library of Medicine.

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

Lapsos de memória
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Lapsos de memória: 8 principais fatores e como evitá-los

Rotina sobrecarregada, estresse e noites maldormidas são algumas das causas

Medir a pressão arterial
Saúde

Medir a pressão arterial: veja novas recomendações

Veja novas recomendações da Sociedade Brasileira de Cardiologia

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma