Médicos debatem redução de uso de remédios em idosos

Saúde
23 de Março, 2023
Médicos debatem redução de uso de remédios em idosos

Parece um paradoxo: quanto mais envelhecemos, maior o risco de desenvolver alguma doença crônica ou de ter complicações dos males que nos acompanham durante a vida. Consequentemente, muitos médicos precisam prescrever diferentes remédios para os idosos a fim de controlar todos esses problemas.

Os especialistas buscam, no entanto, respostas sobre como reduzir o número de medicamentos nesse público, a chamada desprescrição. Desse modo, o assunto será um dos temas do Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, que acontece entre os dias 23 e 25 de março, em São Paulo.

É muito comum que o idoso tome cinco ou mais medicamentos para o tratamento dos seus problemas de saúde – a famosa “polifarmácia”. Contudo, o problema é que, somados, eles acabam aumentando o risco de interações medicamentosas e até de potencialização dos efeitos colaterais. Para se ter uma ideia, estima-se que cerca de 20% das hospitalizações nessa faixa etária ocorrem por reações adversas de drogas.

“Cada idoso envelhece de uma maneira. Há aqueles muito fragilizados, com pior estado de saúde, que recebem o mesmo protocolo de tratamento recomendado aos adultos, mas podem ter várias reações adversas. Muitas vezes o tratamento pode ser pior do que a própria doença”, diz Marco Tulio Cintra, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. “A maior dificuldade é como tratar principalmente aqueles que têm um padrão de saúde mais frágil.”

Leia também: Vavá, do Karametade, sofre acidente doméstico. Afinal, o que fazer nesses casos?

Remédios para idosos: processo cauteloso

Há décadas os especialistas já estabeleceram o que não deve ser prescrito para esse público. É o caso de alguns antialérgicos, por exemplo, que podem gerar confusão mental. Assim, com o tempo, esse conceito evoluiu e passou-se a buscar um tratamento mais personalizado, centrado no paciente, o que exige muito conhecimento e muita conversa com a família.

A tendência agora é dar um passo além e avaliar qual o efeito de cada medicamento em cada paciente específico. Alguns podem aumentar o risco de quedas, outros podem desregular a cognição, por exemplo. À medida que envelhecemos, há uma mudança na composição corporal e uma perda natural das reservas biológicas que podem ter importantes repercussões.  De acordo com os geriatras, a diminuição de água no organismo, por exemplo, faz com que remédios hidrossolúveis possam ter sua concentração aumentada e se tornar tóxicos, para citar um exemplo.

Para isso, primeiro é preciso fazer um levantamento completo de tudo o que a pessoa toma. “O mundo real é muito diferente do mundo da receita. É comum haver medicamentos duplicados, sem prescrição médica ou subtraídos sem orientação. É preciso fazer uma avaliação criteriosa pois, ao tratar absolutamente tudo num idoso frágil, corre-se o risco de criar uma cascata de remédios prescritos para tratar problemas causados pelos próprios medicamentos, a chamada cascata iatrogênica”, explica Cintra.

Esse é um processo que deve ser muito cauteloso e acompanhado de perto. “Não se trata de tirar um remédio por tirar”, enfatiza o médico. O objetivo é ajustar o tratamento com um planejamento. “A ideia é priorizar o cuidado e a qualidade de vida, a partir das queixas e do estado de saúde do paciente”, diz o geriatra.

Fonte: Agência Einstein.

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança