Nova vacina do herpes-zóster possui maior eficácia e tempo de proteção

21 de junho, 2022

Aprovada pela Anvisa a nova vacina do herpes-zóster tem mais benefícios para a saúde e está prestes a desembarcar na rede privada. Agora, o imunizante possui mais de 97% de eficácia contra o vírus do herpes — antes, o nível de proteção era aproximadamente 70%. Outra vantagem da nova vacina do herpes-zóster é a durabilidade: a versão atual oferece 10 anos de imunização contra 3 anos da vacina antiga.

Mas o que é o herpes-zóster e qual a importância da vacinação? Segundo a dermatologista Adriana Vilarinho, o vírus provoca sintomas quando o sistema imunológico enfraquece. “Como resultado, ele se manifesta na pele com manchas avermelhadas, muito doloridas e ardentes. Apesar de ser uma doença mais comum em idosos e em pessoas com defesa do organismo fragilizada, como pacientes com câncer e AIDS, entre outras doenças, qualquer pessoa que teve varicela pode desenvolver esse tipo de herpes”, explica a médica.

Veja também: Afinal, o vírus do herpes pode aumentar as chances de diabetes?

Onde encontrar a nova vacina do herpes-zóster

Apenas em clínicas particulares terão o imunizante. Por enquanto, não há estimativa de chegar à rede pública pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Quem pode tomar?

A princípio, a vacina será destinada a adultos acima de 50 anos, mas pessoas imunossuprimidas a partir de 18 anos também poderão se beneficiar da dose.

Existe tratamento para o herpes-zóster?

A vacina contra o herpes-zóster é uma alternativa de prevenção e protege contra complicações como as enfrentadas pelo cantor Justin Bieber. Recentemente, o artista compartilhou em suas redes sociais que sofreu paralisia parcial do rosto devido ao vírus. A infecção pelo herpes tem tratamento, mas  pode levar à dor local persistente, mesmo após a cicatrização das lesões. Logo, algumas boas práticas podem evitar o aparecimento das feridas:

Porém, caso nada disso funcione, o uso de medicamentos antivirais pode ser uma alternativa. De acordo com o Ministério da Saúde, durante a presença de herpes, o paciente não deve furar as vesículas e precisa evitar o contato com outras pessoas, assim como separar roupas de cama e banho. Para saber qual medida é mais indicada para o seu caso, é necessário procurar um dermatologista ou um clínico geral.

Fonte: Adriana Vilarinho, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Academia Americana de Dermatologia (AAD).

  

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.