Megabexiga: entenda a condição que levou aborto ser autorizado

Gravidez e maternidade Saúde
25 de Maio, 2022
Megabexiga: entenda a condição que levou aborto ser autorizado

Um casal foi autorizado a interromper a gestação aos seis meses, em Belo Horizonte, Minas Gerais. O motivo do aborto foi o diagnóstico da condição rara chamada megabexiga fetal, vista inicialmente na 12ª semana de gravidez, mas com a piora constatada na 22ª.

A permissão foi concedida pelo juiz Marcelo Paulo Salgado, da 36ª Vara Cível de BH. Ela partiu de um relatório médico que analisou as consequências da megabexiga para o bebê em desenvolvimento. Constatou-se que a condição rara estava levando a outras má-formações, diminuição do líquido amniótico e ao desenvolvimento incompleto dos pulmões.

Leia mais: Colestase gestacional: saiba o que é, sintomas e tratamento

Mas afinal, o que é megabexiga fetal?

Como o próprio nome dá a entender, a megabexiga fetal acontece quando a bexiga possui um tamanho maior do que o esperado. A condição já pode ser vista no ultrassom do primeiro trimestre gestacional, quando o diâmetro longitudinal do órgão tem mais de 7 milímetros.

Já se a gravidez estiver mais desenvolvida, o quadro pode fazer com que a bexiga do feto permanece cheia durante os 40 minutos do ultrassom. A situação não é normal, de acordo com o urologista pediátrico Roberto Iglesias Lopes, do Hospital e Maternidade Santa Joana, em entrevista ao site CRESCER.

Leia mais: Afinal, o que é atonia uterina? Enteda as causas e principais tratamentos

Os principais motivos que levam à megabexiga

Dentro da barriga da mãe, o feto possui rins que produzem a urina. Já os tubos chamados ureteres são responsáveis por levá-la até a bexiga e, mais tarde, é eliminada pela uretra. A megabexiga tende a acontecer quando algo obstrui a saída desta secreção.

As principais causas que levam a esta obstrução são:

  • Válvula de Uretra Posterior (VUP): condição em que há a formação de uma membrana na uretra, próxima da bexiga;
  • Estenose: enrijecimento ou estreitamento da uretra;
  • Atresia: falha no desenvolvimento da uretra;
  • Cloaca persistente: sintoma de um distúrbio congênito anorretal complexo, em que o reto, vagina e trato urinário se fundem, formando um único canal.

A primeira causa tende a ser mais observada entre os casos de megabexiga. Inclusive, a rara condição acontece em uma a cada 1.500 gestações e afeta mais meninos do que meninas.

Leia mais: Síndrome de transfusão feto-fetal: Entenda a condição rara entre gestantes

As consequências da condição rara

Com o funcionamento dos rins fetais, o líquido amniótico passa a ser composto principalmente de urina. Logo, se há a obstrução da sua saída pela uretra, a tendência é que se diminua a quantidade deste fluído em que o pequeno está submerso dentro da placenta.

Em síntese, a falta de líquido amniótico pode ocasionar diferentes problemas ao feto. Todavia, a principal é a má-formação dos pulmões. Dessa forma, caso nada seja feito durante a gravidez, o bebê pode vir até mesmo a precisar de suporte para respirar ou vir a falecer diante dessa dificuldade.

Leia mais: Confira os principais nutrientes para as gestantes

Qual é o tratamento possível?

Quando a causa da megabexiga é a Válvula de Uretra Posterior (VUP), pode-se realizar uma cirurgia intrauterina para colocar um cateter na bexiga do feto que vai permitir a passagem normal da urina pela região. Dessa forma, ajuda-se a melhorar a quantidade de líquido amniótico dentro da placenta, favorecer o desenvolvimento do pulmão, além de desobstruir os rins.

Todavia, a execução do procedimento depende do estágio da condição, sendo recomendada nos níveis dois e três. No entanto, não a indica-se no primeiro, bem como no quarto estágio da condição rara.

“No estágio 4, o recomendável é utilizar uma técnica para infundir soro do útero no feto, para ir desenvolvendo o pulmão e tentar melhorar esse prognóstico no pós-natal”, de acordo com Roberto.

Fontes: Gestar: Medicina e Cirurgia Fetal, Fetalmed.net e Revista Crescer.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas