Hérnia de hiato: entenda a condição da ex-BBB Rafa Kalimann

3 de maio, 2022

Ao abrir uma caixa de perguntas no Instagram, Rafa Kalimann, influenciadora digital e ex-participante do BBB 20, foi indagada se o pequeno relevo na sua boca de estômago seria uma hérnia de hiato. Logo em seguida, ela respondeu que sim e explicou que o caso é recente. “Não sabia o que era e fiquei mega preocupada”, completou a famosa. Mas você sabe o que é a condição?

Em suma, quando nos alimentamos, a passagem dos alimentos é feita pelo músculo do esfíncter esofágico inferior, que se abre permitindo a passagem para o estômago e, então, se fecha para impedir que os ácidos estomacais subam para o esôfago. Qualquer alteração nesse mecanismo pode provocar o refluxo gastroesofágico e, consequentemente, azia, o sintoma mais comum da hérnia de hiato. A seguir, entenda mais sobre o assunto.

Leia mais: Hérnia de disco é mais comum em homens: Saiba o que causa o problema

O que é a hérnia de hiato?

No corpo humano há um grande músculo na parte inferior dos pulmões, o diafragma, cuja função é separar o tórax do abdômen. Para levar os alimentos da boca até o estômago, o esôfago precisa atravessar o diafragma por meio de uma região chamada de hiato esofágico. Durante o processo de alimentação, o hiato esofágico abre e fecha, permitindo que os alimentos adentrem o estômago e impedindo que eles voltem pelo esôfago, causando o chamado refluxo.

Porém, quando o hiato esofágico se enfraquece e deixa com que porções do estômago passem através de si, o paciente pode ser diagnosticado com hérnia de hiato. Em geral, pessoas mais velhas, acima do peso e mulheres que tiveram muitas gravidezes são mais propensas a ter hérnia de hiato.

Tipos

  • A hérnia por deslizamento é o tipo mais comum e ocorre quando a junção esofagogástrica (entre o esôfago e o estômago) se desloca para cima do hiato. Isso modifica sua dinâmica de funcionamento, reduzindo sua capacidade de contenção do refluxo. E, por isso, pode ser uma das causas de doenças do refluxo gastroesofágico.
  • Já a hérnia paraesofágica ocorre quando a junção entre esôfago e estômago está normal, mas parte do estômago se projeta pelo hiato.

Causas

Diferentes fatores podem causar a doença. Conheça alguns:

  • Consequência da idade, quando a musculatura fica mais fragilizada, permitindo um alargamento do hiato esofágico;
  • Aumento do peso ou efeito sanfona;
  • Prática de exercícios físicos que forcem a musculatura abdominal e aumentam a pressão sobre o estômago;
  • Erros alimentares, como comer em excesso antes de dormir ou beber líquidos em excesso durante as refeições, por exemplo;
  • Tabagismo;
  • Álcool.

Sintomas

A hérnia de hiato pode causar fortes dores no corpo, principalmente na região de seu peito. Por conta dessas dores agudas, alguns casos podem ser, inclusive, confundidos com outras condições cardíacas como o infarto do miocárdio.

Por mais que alguns casos sejam assintomáticos, ou seja, não existam sintomas, em alguns indivíduos podem surgir alguns sinais que indicam uma hérnia. Entre eles:

  • Eructações ou arrotos;
  • Azia;
  • Refluxo de ácidos estomacais;
  • Sensação de vômito.

Além disso, pode provocar dor semelhante à da angina – dor no peito causada pela redução do fluxo sanguíneo para o coração – e ser confundida com os sintomas de infarto

Diagnóstico

O diagnóstico da hérnia de hiato é feito por meio de exames que auxiliam na investigação. Dessa forma, os exames que habitualmente revelam a doença são a endoscopia digestiva alta, a radiografia contrastada esofagogástrica ou tomografia computorizada (TAC).

Hérnia de hiato tem cura?

Geralmente, a hérnia de hiato não necessita de tratamento específico, ou seja, não existem medicamentos ou um remédio para “curar” uma hérnia de hiato, mas sim para controlar alguns dos seus sintomas. Por isso, só o tratamento cirúrgico permite fazer desaparecer uma hérnia de hiato.

Tratamento

Conforme foi mencionado, o tratamento para hérnia de hiato depende dos sintomas, do seu volume e do risco de complicações que representa. De qualquer forma, um estilo de vida saudável, uma dieta correta e a manutenção de peso ideal são a base de um tratamento eficaz. Além disso, em geral, as hérnias pequenas e assintomáticas não necessitam de tratamento.

As hérnias sintomáticas, por sua vez, podem ser tratadas recorrendo a vários tipos de medicação que ajudam a diminuir a produção de ácido no estômago e facilitam o seu esvaziamento, evitando assim os sintomas relativos ao refluxo. Por outro lado, as hérnias maiores, mal controladas ou de risco podem ser tratadas por meio de cirurgia.

Alimentação é fundamental no tratamento

Pessoas com hérnia de hiato devem seguir uma dieta alimentar que permita manter o peso e evitar a obesidade. Dessa forma, o ideal é evitar alimentos que acentuam as queixas de refluxo, como bebidas gaseificadas, chocolate, alimentos ricos em gorduras, café, etc.

Cirurgia de hérnia de hiato

A cirurgia de hérnia de hiato é uma operação que se faz quase exclusivamente por laparoscopia. Assim, as técnicas operatórias têm como objetivo corrigir a hérnia, trazendo o estômago para dentro do abdômen, tratar a fragilidade do hiato esofágico (local por onde passa o esôfago) e na construção de uma válvula no estômago para evitar o refluxo do conteúdo gástrico. Atualmente, a cirurgia é realizada pela técnica de videolaparoscopia ou pela cirurgia robótica, onde pode se utilizar pinças especiais e câmeras de vídeo para executar o procedimento cirúrgico.

A hérnia de hiato pode voltar após cirurgia? 

Cerca de 10% dos pacientes operados voltam a ter hérnia de hiato 10 anos após a cirurgia. Por outro lado, alguns acreditam que, mesmo após a operação, o refluxo pode voltar, mas isso só acontece se voltarem a se alimentar de maneira errada e engordarem. Caso volte, pode ser feita uma nova cirurgia ou o tratamento com medicamentos.

É possível prevenir?

Para prevenir os sintomas do refluxo gastroesofágico, um dos sintomas da hérnia de hiato, é importante evitar alimentos gordurosos, frituras, condimentados, diminuir o consumo de bebidas gaseificadas, não fumar, não ingerir muito líquido durante as refeições, manter uma alimentação equilibrada, e não se deitar logo após a ingestão alimentar.

Referências: MSD Manuals e Sociedade Brasileira de Gastroenterologia.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde