Grávidas podem tomar vitaminas? Veja as recomendações

Gravidez e maternidade Saúde
18 de Agosto, 2023
Grávidas podem tomar vitaminas? Veja as recomendações

Embora seja um estado fisiológico, a gravidez provoca uma sobrecarga no organismo da gestante e, consequentemente, um aumento na demanda por diversos macro e micronutrientes que nem sempre são consumidos em quantidades suficientes apenas por meio da alimentação. Mas afinal, será que grávidas podem tomar vitaminas para suprir essas necessidades?

Primeiramente, é importante saber que as necessidades do feto, a expansão da massa muscular e a placenta fazem com que a demanda metabólica de DHA aumente durante a gravidez. Ou seja, é realmente muito importante que hajam algumas adaptações na dieta e na rotina da mulher.

Em resumo, para suprir o aumento da demanda por nutrientes durante a gestação, o consumo de vitaminas não é apenas permitido, como também necessário para que se possa garantir um bebê saudável e também o bem-estar da mulher grávida. Confira abaixo quais são as vitaminas indicadas para grávidas e também algumas dicas para que a sua suplementação vitamínica seja saudável e segura.

Leia mais: Conheça a Raia Manipulação!

Vitaminas para gestantes: conheça as mais recomendadas

Levando em conta todas as necessidades nutricionais que uma gestante costuma apresentar, as vitaminas mais recomendadas por especialistas são:

  • Ácido fólico (Vitamina B9): Também conhecido como folato, o ácido fólico é vital para o desenvolvimento do tubo neural do feto, que se forma nas primeiras semanas de gravidez. Geralmente, a recomendação é suplementá-lo antes da concepção e no início da gravidez. Assim, é possível garantir a prevenção de defeitos no tubo neural, como espinha bífida.
  • Ferro: O ferro desempenha um papel importante na produção de hemoglobina, que transporta oxigênio pelo corpo. Durante a gravidez, o volume sanguíneo aumenta para atender às necessidades do feto e da placenta. A suplementação de ferro ajuda a prevenir a anemia, que pode causar fadiga, fraqueza e impactar negativamente o desenvolvimento fetal.
  • Cálcio e Vitamina D: O cálcio é essencial para a formação dos ossos e dentes do bebê. Por outro lado, a vitamina D auxilia na absorção eficaz de cálcio. Ambos são vitais para a saúde óssea da mãe e do feto. Enquanto o cálcio pode ser obtido por meio de laticínios e vegetais de folhas verdes, a vitamina D pode ser adquirida com exposição solar ou suplementos sob orientação.
  • Vitamina C: Além de sua função na melhoria da imunidade, a vitamina C também desempenha um papel na absorção de ferro não heme, indisponível em alimentos de origem vegetal. Garantir que o corpo absorva adequadamente o ferro é vital para combater a anemia.
  • Vitaminas do Complexo B: As vitaminas B, incluindo B6 e B12, são cruciais para o desenvolvimento neurológico do feto. A vitamina B6 é conhecida por ajudar a reduzir os sintomas de náuseas matinais, enquanto a B12 é essencial para a formação de células sanguíneas e o funcionamento adequado do sistema nervoso.

Leia mais: Gravidez e atividade física: 6 modalidades para as futuras mamães

Consuma essas vitaminas com cautela

  • Vitamina A: O consumo excessivo de vitamina A durante a gravidez, especialmente em forma de retinol presente em alimentos de origem animal, pode causar riscos ao desenvolvimento do feto e levar à toxicidade. Neste caso, optar por fontes de betacaroteno em vegetais (como a cenoura, por exemplo) pode ser mais seguro.
  • Vitamina E:  Na hora de consumir a vitamina E, também deve haver moderação. Isso porque, embora ela seja essencial para a saúde celular e para a imunidade, seu excesso pode causar sérias complicações. Por exemplo, hemorragia e parto prematuro. O ideal é optar por dosagens mínimas ou consumir fontes naturais como nozes e sementes com cautela.

Como garantir uma suplementação saudável e segura?

Durante a gravidez, sabemos que todo cuidado é pouco. Por isso, o primeiro passo para adquirir todos os nutrientes de forma segura e saudável é consultar um médico obstetra ou nutricionista.

Nenhuma suplementação deve ocorrer sem orientação profissional. De acordo com a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), é necessário passar por algumas etapas para uma análise completa das necessidades nutricionais da mulher grávida.

A primeira delas é a anamnese (conversa entre médico e paciente). Depois, deve-se realizar exames e testes laboratoriais, que vão identificar as deficiências de vitaminas e minerais para que, a partir disso, inicie-se uma suplementação adequada.

Em muitos casos, pode-se optar por suplementos vitamínicos manipulados. Prescritos pelo médico, eles levam em conta as dosagens e nutrientes recomendados especificamente para as necessidades daquela gestante.

Os suplementos manipulados para gestantes podem ser feitos em farmácias de manipulação. Além de serem totalmente personalizados para cada mãe, também são mais puros e apresentam menos risco de efeitos colaterais. Então, se você está grávida ou está planejando engravidar, não deixe de conversar com um nutricionista ou obstetra para entender a melhor forma de incluir as vitaminas para gestantes na sua rotina.

Leia mais: Conheça a Raia Manipulação!

Leia também:

edema articular
Saúde

Edema articular: o que é, causas e tratamentos

O edema, habitualmente, não é uma doença, mas uma das manifestações de uma outra doença

Arritmias cardíacas
Saúde

Arritmias cardíacas: conheça as causas, sintomas e tratamentos

A estratégia de prevenção da doença inclui controle o peso e a prática de atividade física. Saiba mais

Cardiopatia congênita
Gravidez e maternidade Saúde

Cardiopatia congênita: o que é, tipos, sintomas e diagnóstico

Confira os principais tipos e como são feitos os tratamentos