Frenectomia lingual: o que é e como influencia na amamentação?

Gravidez e maternidade Saúde
28 de Março, 2022
Frenectomia lingual: o que é e como influencia na amamentação?

A frenectomia lingual é uma cirurgia indicada em casos de anquiloglossia, uma anomalia na língua caracterizada por um freio lingual mais curto, que resulta na limitação dos movimentos da mesma. 

A Dra. Ana Loch, médica pediatra especializada em infectologia pediátrica, explica que a frenectomia lingual é a remoção cirúrgica, total ou parcial, do freio lingual quando há esse encurtamento.

“Essa anomalia é mais conhecida como ‘língua presa’, capaz de dificultar a movimentação da língua, prejudicar a amamentação, a alimentação e a fala”, complementa a pediatra. 

Frenectomia lingual em bebê

Segundo a médica especializada em infectologia pediátrica, a frenectomia lingual em bebê é um tipo de procedimento cirúrgico muito simples.

“É feito um corte ou ‘pique’ no freio com anestésico tópico. Essa cirurgia é feita em um consultório odontológico, podendo também ser realizada por pediatras e fonoaudiólogos”, acrescenta a Dra. Ana Loch. 

Dessa forma, a cirurgia para remover o freio lingual é feita em recém-nascidos ou crianças. Mas também pode ser realizada em adultos, em uma cirurgia desenvolvida por um cirurgião dentista.

Para que serve a cirurgia de frenectomia em bebê?

Para que não haja dúvidas para que serve a cirurgia de frenectomia lingual, a especialista explica que esse tipo de cirurgia ajuda a promover maior mobilidade da língua do bebê.

Além disso, durante a sucção do seio materno o neném vai conseguir fazer o movimento correto da língua no ‘céu da boca’, favorecendo assim uma mamada mais rápida e  eficaz. 

“Em crianças maiores, a frenectomia lingual também é indicada para melhorar a fala e tratar a língua presa”, lembra a dra. Ana Loch. 

Por que cortar o freio da língua do bebê?

Essa má formação acontece ainda durante o desenvolvimento do bebê no ventre da mãe, deixando a língua grudada à mandíbula. À medida que a gravidez avança, o órgão passa a se descolar dessa região maxilar. 

No entanto, em alguns bebês, esse processo de separação da língua pode ficar incompleto, sobrando algumas fibras que irão limitar a mobilidade da região do famoso ‘freio curto’. 

Portanto, para que a movimentação da língua se torne completamente livre, o ideal é cortar o freio da língua do bebê.

A médica pediatra esclarece que a razão desse corte é pelo fato do freio lingual curto prejudicar a amamentação: “o bebê ainda pode se cansar com mais facilidade ao mamar, necessitando mamar mais vezes ao dia, além de provocar ferimentos e fortes dores nos seios da mãe”, informa. 

Quando fazer frenectomia lingual?

Muitas mães e pais ficam receosos sobre o melhor momento para a realização da cirurgia no freio da língua. Será que o melhor momento é durante a fase de recém-nascido? 

A médica especializada em infectologia pediátrica indica que a frenectomia lingual pode ser feita no bebê recém-nascido, principalmente quando for detectada a dificuldade na amamentação pelo freio lingual curto.

“Geralmente, as consultoras de amamentação já notam o problema e orientam a família. Em crianças maiores, já é possível observar alguma dificuldade na fala, como a língua presa”, confirma a pediatra.

Por isso, no caso de bebês, é muito importante prestar atenção na amamentação, já que alguns indícios que o neném tenha o freio lingual curto são perceptíveis, como a dificuldade na amamentação, o cansaço rápido ao mamar ou mamar mais vezes do que o normal. 

Frenectomia lingual influencia na amamentação?

A nossa médica consultada afirma que sim: “a frenectomia lingual auxilia muito na amamentação, pois melhora a mobilidade da língua, otimizando as mamadas. O bebê consegue sugar mais rápido e mais eficazmente”, diz.

Além desses benefícios desse tipo de cirurgia, veja outras vantagens de realizar a frenectomia lingual: 

  • Trata problemas da fala, imprecisão da articulação da fala e troca de som ou com distorção;
  • Melhora os movimentos da língua;
  • Ajuda na mastigação;
  • Possibilita ter mais controle da higiene oral, evitando risco de acumulação de placa bacteriana, à má higiene dos molares, inflamação gengival e recessões gengivais.

Teste da linguinha para diagnosticar língua presa

Segundo a Dra. Ana Loch, o teste da linguinha deve ser realizado logo nos primeiros dias de vida do bebê. 

“O teste da linguinha pode ser feito até o bebê completar 30 dias de vida, mas, geralmente, se faz na 1ª semana de vida”, esclarece a médica.

Sendo assim, a família precisa buscar o exame para o recém-nascido o mais cedo possível, para que os médicos possam descobrir se o neném possui a língua presa.

“Com o teste da linguinha, é possível fazer uma avaliação do freio lingual. E visto que já se detecta o encurtamento, a consultora de amamentação ou fonoaudióloga observam também como esse bebê faz a pega do seio, se as mamadas são muito rápidas e se a mãe tem sentido fortes dores ao amamentar, o que já são indicativos para a frenectomia lingual”, explica a pediatra.

Assim, com o diagnóstico feito e a realização da cirurgia, é possível evitar maiores dificuldades na amamentação, a possível perda de peso do bebê e o desmame precoce com a introdução da mamadeira.

Consequências da não realização da frenectomia

Um dos maiores impactos da não realização da cirurgia no freio lingual curto está relacionado com a amamentação do bebê.

“O bebê com o freio da língua encurtado tende a mamar com mais dificuldade, não faz uma pega correta e acaba machucando o seio materno, desestimulando a amamentação, pois a mãe sente muitas dores e precisa dar o peito mais vezes ao dia, pois as mamadas se tornam ineficazes”, alerta a especialista. 

Além disso, existem outras complicações frequentes da língua presa, como perda de peso do recém-nascido, atraso no desenvolvimento ou crescimento, problemas na fala ou atraso no desenvolvimento da linguagem, dificuldade para introduzir alimentos sólidos na alimentação da criança e risco de engasgamento.

Fonte: Dra. Ana Loch, médica pediatra especializada em infectologia pediátrica. 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

bebê pode comer camarão
Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade

Bebê pode comer camarão? Pediatra explica

Crianças podem ser introduzidos a frutos do mar a partir dos 6 meses de idade, segundo a SBP