Doenças causadas pela obesidade: saiba quais são as principais

7 de abril, 2022

A obesidade é um problema de saúde pública e afeta um número cada vez maior de pessoas de idades variadas. Atualmente existem cerca de 41 milhões de brasileiros com obesidade acima de 18 anos, ou seja, 26% da população. De acordo com estudo publicado pela World Obesity Federation em março deste ano, há uma previsão de 34% de pessoas com obesidade no Brasil em 2030. Em outras palavras, cerca de 53 milhões de brasileiros serão acometidos pela doença em menos de uma década. Além de limitar a qualidade de vida do indivíduo, há muitas doenças causadas pela obesidade que causam complicações severas e capazes de levar à morte.

Veja também: Obesidade aumenta risco de distúrbio reprodutivo feminino

As principais doenças causadas pela obesidade

Dependendo do grau da obesidade e de fatores como predisposição genética para algumas doenças, o indivíduo pode ter uma série de distúrbios devido à inflamação generalizada do organismo. Veja alguns deles.

Diabetes tipo 2: consiste na falta ou na produção insuficiente de insulina, hormônio que leva o açúcar para dentro das células. Dessa forma, a pessoa tem diversas limitações de saúde, como dificuldade de cicatrização de machucados, perda de sensibilidade da pele e insuficiência de órgãos. Segundo a endocrinologista Claudia Chang, a obesidade dificulta a ação da insulina, conhecida como “resistência insulínica”. Assim, o pâncreas precisa aumentar cada vez mais a sua produção para suprir a demanda, causando a hiperglicemia (nível elevado de açúcar no sangue).

Colesterol alto: quando os níveis de colesterol estão altos, a gordura se acomoda nas artérias, que ficam congestionadas e fibrosas, o que provoca a aterosclerose, capaz de causar infartos, derrames e morte súbita.

Hipertensão: a obesidade é um dos principais fatores de risco para a hipertensão, doença que ataca os vasos sanguíneos, coração, cérebro, olhos e pode causar paralisação dos rins. Ocorre quando a medida da pressão se mantém frequentemente acima de 14 por 9.

Hipertrofia Ventricular Esquerda (HVE): portadores de obesidade têm maior probabilidade de desenvolver a HVE, que aumenta da espessura do músculo do ventrículo esquerdo, a câmara mais importante do coração. “Ou seja, com o ganho de peso corporal, o coração precisa fazer mais força e pode ocorrer aumento da parede desse ventrículo”, ressalta Claudia. 

Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS): uma das doenças causadas pela obesidade que mais afetam a saúde, desencadeia breves e repetidas interrupções da respiração durante o sono. Portanto é potencialmente grave, pois a pessoa pode morrer por asfixia.

Diagnóstico e tratamento da obesidade

Após ser calculado o IMC (Índice de Massa Corporal), é possível identificar em qual grau de obesidade o paciente se encontra. Por exemplo:

  • I: IMC entre 30 e 34,9; 
  • II: IMC entre 35 e 39,9;
  • III: (obesidade mórbida): IMC acima de 40.

A princípio o tratamento inclui mudanças no estilo de vida, que envolvem melhorias na alimentação, uso de medicamentos e o aumento da prática de exercícios físicos para aumentar o gasto energético e estimular a perda de peso. Também há outras medidas que aceleram o processo, mas que exigem recomendação médica, como a cirurgia bariátrica. Contudo, se houver outras complicações em decorrência da obesidade, também é preciso tratá-las de acordo com seus sintomas e prescrições.

Fonte: Claudia Chang, pós-doutora em endocrinologia e metabologia pela USP, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e Coordenadora e Professora da pós-graduação Endocrinologia ISMD.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.