Sono e obesidade: Conheça a relação entre os dois

6 de julho, 2021

O sono de qualidade é um dos pilares da saúde humana. Desse modo, dormir mal pode desencadear diversos problemas e desequilíbrios no organismo. Você sabia, por exemplo, que sono e obesidade estão relacionados?

Pois é. Isso acontece porque o sono proporciona o bom funcionamento dos órgãos. Além disso, ele melhora a memória e fortalece o sistema imunológico. Por outro lado, uma pessoa obesa pode ter problemas para dormir, como ronco, apneia, insônia, pesadelos e agitação noturna.

A obesidade faz parte da lista de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). De modo geral, podemos dizer que ela é caracterizada por um acúmulo excessivo de gordura corporal. Tal acúmulo pode levar a outras enfermidades, como doenças cardiovasculares, dislipidemia, diabetes tipo 2, síndrome metabólica e alguns tipos de câncer. 

De acordo com dados do Ministério da Saúde, a obesidade já afeta mais de 20% da população adulta do Brasil, ou seja, cerca de 27 milhões de brasileiros.

Leia também: Obesidade: O que é e como evitar essa condição

Mas como a obesidade afeta a qualidade do sono?

Uma pesquisa realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) decidiu avaliar a relação entre sono e obesidade. Dessa maneira, os pesquisadores coletaram dados sobre a qualidade de vida de 120 crianças e adolescentes com idades entre 10 e 14 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos: obesos e com o peso ideal.

Os resultados mostraram que há uma prevalência de perturbações ao dormir e, consequentemente, pior qualidade do sono, nos integrantes do grupo obeso.

Leia também: Os exercícios físicos mais eficazes para combater a obesidade

A pesquisa também mostrou que aproximadamente 33% dos entrevistados têm algum problema de saúde. Foi constatado que eles tomavam medicamentos para rinite alérgica, depressão, hipertensão arterial, tireoide, diabetes, hiperatividade e problemas digestivos.

Entretanto, o problema é ainda pior: má qualidade do sono e obesidade podem formar um ciclo vicioso. Segundo especialistas, dormir poucas horas por noite aumenta a expressão do hormônio grelina, que nos faz ter mais fome. O recomendado é dormir de 7 a 9 horas.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo