Dietas restritivas funcionam? Nutricionista explica riscos

Alimentação Bem-estar
24 de Janeiro, 2024
Dietas restritivas funcionam? Nutricionista explica riscos

Segundo uma pesquisa feita pelo Globo Repórter em 2022, 61% dos entrevistados tentaram algum tipo dieta para emagrecer e se sentir melhor com o corpo, dentre eles, 61% não tiveram acompanhamento médico ou nutricional e apenas 43% conseguiram chegar ao peso desejado. A tentativa de emagrecer rápido, no entanto, pode conduzir as pessoas a optarem por dietas restritivas e perigosas que prometem resultados rápidos. Mas será que essa abordagem é promissora? Veja a seguir.

Afinal, dietas restritivas realmente funcionam? 

Embora possam gerar resultados rápidos com a perda de peso, a complexidade da dieta, na maioria das vezes, impede a continuidade do plano alimentar. Por outro lado, a diminuição exagerada de de nutrientes pode gerar sintomas como fraqueza, cansaço e queda de cabelo.

Fúlvia Hazarabedian, nutricionista da Bio Ritmo, explica que a busca obsessiva e a pressão estética para se encaixar nesse padrão de beleza podem trazer muitos riscos à saúde. “Ser saudável é muito mais que ter um corpo que se encaixe ao padrão de beleza e sim, um corpo que se exercita com frequência e que se alimenta de todos os nutrientes e vitaminas que precisa, de forma balanceada”, comenta Fúlvia.

Veja também: Quando trocar o treino da academia?

Riscos de dietas restritivas 

1 – Deficiência nutricional

Um dos principais riscos dessas dietas é a deficiência nutricional. Muitas indicam a exclusão de grupos alimentares inteiros, como carboidratos. A retirada desse componente do prato pode levar a sintomas como desmaios já que os carboidratos são a principal fonte de energia. Além disso, a depender da restrição, problemas sérios de saúde podem ser ocasionados como anemia, osteoporose, entre outros.

2 – Dietas restritivas afetam a saúde mental

Com a deficiência nutricional, o cérebro e as outras partes do corpo não conseguem funcionar corretamente e podem não conseguir produzir hormônios importantes, aumentando a ansiedade, o sentimento de culpa, e a relação negativa com a comida, contribuindo para o surgimento de distúrbios alimentares.

3 – Efeito sanfona

Como um risco leva ao outro, a deficiência nutricional combinada à saúde mental abalada leva muitas pessoas a voltarem a se alimentar sem nenhuma restrição e parâmetro, podendo desenvolver uma compulsão alimentar e ocorrendo o famoso efeito sanfona, que pode durar muitos anos, prejudicando metabolismo e a saúde do paciente, que nunca vai conseguir realmente alcançar o efeito desejado.

Após enumerar todos os riscos inerentes às dietas malucas, Fúlvia dá dicas de como conseguir conquistar consistência nos cuidados com a saúde – consequentemente, o corpo irá sentir:

Equilíbrio é a chave para ter uma alimentação saudável

Não é necessário excluir grupos alimentares para emagrecer. O equilíbrio entre eles é essencial para uma boa saúde. Alguns alimentos podem ajudar nesse processo, como a aveia e quinoa que dão saciedade rápida e duradoura. Além de proteínas e fontes de gorduras boas, como abacate e castanhas. Para entender melhor o que seu corpo necessita e qual é a melhor maneira de conduzir isso, converse com uma nutricionista ou médico.

Invista em atividades físicas

Combine uma dieta equilibrada com atividades físicas regulares. O exercício contribui não só para o controle de peso, como também auxilia na saúde cardiovascular, muscular e mental.

Durante a prática liberamos os cinco principais hormônios: a endorfina e serotonina, responsáveis pela sensação de bem-estar e felicidade; a adrenalina, que acelera a queima de calorias; a somatotrofina, que estimula a queima de gordura e fortalece o crescimento dos tecidos e da fibra muscular; e também o cortisol, que ajuda na diminuição dos efeitos do estresse no dia a dia.

Autoaceitação

Por fim, mas não menos importante, é preciso entender que cada corpo é único e temos metabolismos diversos e tipos de corpos diferentes também. Antes de tudo precisamos nos aceitar e nos amar como somos e como podemos ser de forma realista. A saúde deve ser o objetivo principal na busca de um corpo perfeito.

“A saúde é um processo contínuo e a abordagem mais eficaz é adotar práticas sustentáveis e positivas em relação à alimentação e ao corpo. Se tiver dúvidas específicas ou precisar de orientação, é recomendável consultar um profissional de saúde, como um nutricionista ou médico. Além disso, a pressão estética não pode tomar espaço em nossas vidas. Precisamos construir um novo olhar sobre nós mesmos e entender que cada processo é único, assim como nós”, finaliza Fúlvia.

Fontes:

  • Fúlvia Hazarabedian, nutricionista e responsável pelo Bio Nutri, programa de nutrição da Bio Ritmo.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Remada baixa
Bem-estar Movimento

Remada baixa: para que serve e como fazer?

Comum em treinamento de força, o exercício fortalece os músculos das costas, como o dorso e trapézio

elevação pélvica
Bem-estar Movimento

Elevação pélvica: como fazer, benefícios e substituições

A elevação de quadril, também chamada de hip thrust ou elevação pélvica, é o ótima para trabalhar glúteos e pernas

chá de canela
Alimentação Bem-estar

Chá de canela: para que serve, benefícios e como preparar

A bebida é uma ótima opção para esquentar o corpo — muitos afirmam, ainda, que ela emagrece. Saiba tudo sobre o chá de canela