Alimentação e depressão: Saiba qual a relação

27 de abril, 2020

Alimentação e depressão estão mais conectadas do que se pode imaginar. Por vezes, quando alguém está sofrendo com a depressão, sua dieta pode se tornar uma “válvula de escape”. Além disso, não é incomum criar o hábito de se alimentar com comidas reconfortantes e que provocam uma sensação instantânea de prazer, como os doces.

Assim, manter uma alimentação equilibrada faz bem à saúde do corpo. Mas, muito além disso, ela proporciona também um estado emocional mais saudável.  Por outro lado, o que comemos pode, muitas vezes, piorar o quadro depressivo.

Há, inclusive, uma tendência na gastronomia mundial conhecida como Mood Food que considera os benefícios dos alimentos para o humor e o bem-estar mental. 

Alimentação e depressão: O que evitar

Açúcar refinado

Doces e muitos produtos industrializados são perfeitos exemplos de alimentos lotados de açúcar refinado. Apesar de apetitosos, podem e agravar o quadro depressivo, pois eles causam picos glicêmicos muito elevados, o que rende energia instantaneamente para o corpo. Mas, logo em seguida, essa sensação vai embora e isso pode ocasionar uma sensação de “queda”, no sentido físico e sentimental. 

Leia também: O açúcar da fruta é melhor que o açúcar refinado?

Café e bebidas com cafeína 

O café e demais bebidas que contêm cafeína podem provocar um efeito similar ao açúcar refinado. Primeiro, energizam o corpo e, em seguida, essa sensação passa e a exaustão se instala.

Leia mais: Cafeína faz mal?

Bebidas alcoólicas 

Do mesmo modo, as bebidas alcoólicas são também estimulantes no primeiro momento. Contudo, não leva muito tempo para que elas provoquem o efeito oposto: o chamado “efeito depressor”. Em resumo, o álcool é uma substância que tem efeito depressor no sistema nervoso central, ou seja, pode acentuar e agravar o quadro de depressão e, por isso, deve ser evitado. 

Leia também: Mindful drinking: Método aposta no consumo consciente de álcool

Alimentação e depressão, o que consumir?

Você já deve ter ouvido falar nos três neurotransmissores mais famosos: serotoninadopamina noradrenalina. O primeiro aciona a sensação de bem-estar, trabalha nas emoções e atua como sedativo e calmante. Já a dopamina e a noradrenalina respondem pelo ânimo, energia e disposição.

E quais são os alimentos que disparam essas substâncias? As mais conhecidas são os aminoácidos como triptofano, tiramina e tirosina, os carboidratos, o ácido fólico, o cálcio, o selênio e os ácidos graxos. 

A dica, entretanto, é ter uma alimentação equilibrada, que contemple diferentes grupos alimentares e focada em comida de verdade – o que significa mais alimentos in natura e menos processados. 

Veja agora alimentos indicados para dar um gás no seu humor.

  • Ovos: ricos em vitaminas do complexo B, colaboram para o bom humor. Não vale exagerar no consumo, especialmente se você tem colesterol alto.
  • Carnes magras e peixes: além do alto valor proteico, fornecem triptofano, importante na luta contra a depressão. Invista em peixes como atum e salmão, que contêm ainda ômega 3.
  • Açúcar: consumido com moderação, estimula atividades cerebrais e eleva os níveis de serotonina.
  • Castanhas: fontes de selênio, um importante antioxidante. Atua sobre sintomas de depressão e diminui efeitos do estresse
  • Leite e derivados: proteína, cálcio e triptofano são seus principais ingredientes. São aliados do bom humor e do sistema nervoso central.
  • Banana: oferece boas quantidades de dopamina, o hormônio do prazer.
  • Chocolate: impossível não lembrar dele quando se fala em melhora do humor. Contém magnésio, que reduz o estresse e relaxa o sistema nervoso.

Leia também: Selênio pode reduzir o risco de osteoporose?

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo