Dia Nacional da Vacinação: a importância dos imunizantes

Saúde
17 de Outubro, 2022
Dia Nacional da Vacinação: a importância dos imunizantes

A cobertura vacinal infantil retrocedeu ao menor nível das últimas três décadas. A queda nos índices de imunização e a possibilidade de retorno de doenças até então “erradicadas”, como a poliomielite, preocupam as autoridades de saúde pública. Entre 2019 e 2021, por exemplo, o índice de crianças vacinadas contra paralisia infantil caiu de 84,2% para 67,7%. Assim, a pauta se torna ainda mais pertinente neste 17 de outubro, Dia Nacional da Vacinação.

Leia mais: Vacinas da gestante: Como funciona o calendário de vacinação na gravidez?

Campanhas não atingem nível esperado

No Brasil, a Campanha Nacional de Vacinação 2022 ficou muito abaixo do esperado. Assim, o Paraná, por exemplo, atingiu cerca de 66% do público-alvo, quando a meta era de 95% – percentual alcançado em apenas 32% dos municípios do Estado. Em Curitiba, 36,8% das crianças menores de cinco anos receberam os imunizantes.

Dessa forma, o especialista em imunologia clínica, Hemerson Bertassoni Alves, afirmaz que a vacinação é, universalmente, uma excelente forma de proteção individual. “O principal reflexo da queda na cobertura vacinal é o aumento da prevalência de inúmeras doenças sem que o SUS esteja devidamente preparado para dar conta delas. A poliomielite, por exemplo, não tem cura e afeta crianças que se tornarão adultos com um futuro complicado.”

Dia da vacinação é nacional, mas problema é mundial

De acordo com um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Unicef, o baixo índice de vacinação se repete em esfera global: 25 milhões de crianças não completaram o esquema vacinal contra difteria, tétano e coqueluche. No ano passado, a cobertura da primeira dose contra sarampo caiu para 81%, o menor patamar desde 2008. No caso da HPV, o índice na primeira dose é de apenas 15%.

Só no Brasil, a cobertura contra sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) caiu de 93,1% para 71,49% entre 2019 e 2021. Ou seja, três em cada dez crianças não estão devidamente protegidas. Os dados são do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

Causas e consequências

O declínio na cobertura vacinal pode ter resposta na negligência, na desinformação e na disseminação de fake news, aponta o especialista. “Muitas doenças, as antigas principalmente, foram negligenciadas nos últimos anos por sua baixa frequência, o que causou a falsa sensação de que não ocorreriam mais”, analisa o professor Hemerson, do curso de Biomedicina e Farmácia do UniCuritiba.

Segundo o especialista, além de reforçar medidas profiláticas, as autoridades públicas deveriam ter investido em políticas de esclarecimento sobre a importância das vacinas. “Tudo isso foi agravado pelo efeito ideológico de não acreditar na ciência, somado a muitos devaneios disseminados em nossa sociedade.”

Para o professor, as mesmas pessoas que alegam a falta de segurança dos imunizantes não consideram a redução no número de mortes por Covid-19 depois da vacinação. “O movimento antivacina traz prejuízos imensos para a sociedade e provocará novos colapsos nos sistemas de atenção à saúde.”

Dia Nacional da Vacinação: campanhas

Descobertas há mais de 200 anos e desenvolvidas para estimular o organismo a criar anticorpos, as vacinas contribuíram para o controle de doenças como caxumba, rubéola, tétano, sarampo, gripe e outras. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 3 milhões de vidas são salvas por ano em função da vacinação.

No Brasil, o SUS oferece mais de 20 vacinas. O Calendário Nacional de Vacinação contempla de recém-nascidos a idosos, gestantes, indígenas e pacientes em condições clínicas especiais. “Quem adere ao movimento antivacina desconhece a história”, afirma Hemerson Bertassoni Alves.

Por fim, a solução para que as metas voltem a ser cumpridas, avalia o professor do UniCuritiba, não está na imposição de medidas sanitárias drásticas, mas em campanhas eficientes de vacinação e de conscientização. “O melhor caminho é mostrar os benefícios das vacinas na proteção contra vírus e outros agentes causadores de doenças.”

Leia mais: Como as vacinas são feitas?

Fonte: Hemerson Bertassoni Alves, especialista em imunologia clínica.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Ozempic e anticoncepcional
Saúde

Ozempic pode cortar o efeito do anticoncepcional? Médica explica

Nas redes sociais, não faltam relatos sobre o efeito do Ozempic no aumento da fertilidade

Chá de erva baleeira
Alimentação Bem-estar Saúde

Chá de erva baleeira emagrece? Veja benefícios e como fazer

A erva é eficaz em tratamentos de reumatismo, gota, dores musculares e até úlceras; saiba mais

mulher sentada na mesa da cozinha com remédios para gripe na sua frente
Saúde

Queda na temperatura exige cuidados com a saúde. Confira

Neste fim de semana, o frio vai estar presente em diversas capitais. Queda na temperatura pede alguns cuidados com a saúde respiratória