Desenvolvimento infantil: diagnóstico precoce pode evitar atraso em bebês e crianças

Gravidez e maternidade Saúde
15 de Março, 2022
Desenvolvimento infantil: diagnóstico precoce pode evitar atraso em bebês e crianças

Os primeiros meses de vida são importantíssimos para o desenvolvimento infantil. Caso haja suspeita de algum atraso na fala e nas interações do bebê, é possível ter acompanhamento profissional precoce.

Veja também: Afinal, quais são os distúrbios de aprendizagem mais comuns entre as crianças?

Sinais de atraso no desenvolvimento infantil

De acordo com Daniella Brom, fonoaudióloga e diretora do BakyKids Centro de Especialidades, os indícios de atraso no desenvolvimento infantil aparecem nos cinco ou seis meses de vida. Sinais de alerta:

  • Não solta gritinhos.
  • Ausência de intenção de se comunicar.
  • Evita contato visual e não brinca.
  • Não pega na comida ou não tem curiosidade por objetos, pessoas ou animais.

Se alguns desses comportamentos se manifestarem, o médico (geralmente, um pediatra) possui protocolos padronizados, nacionais e internacionais, para realizar as avaliações.

Testes e perspectivas de tratamento

Embora seja difícil para os pais e responsáveis admitirem sinais de atraso, é preciso agir rápido. Dessa forma, o tratamento torna-se mais efetivo e melhora as condições de desenvolvimento da criança. Segundo Brom, as opções de testes e avaliações clínicas para diagnosticar evoluíram muito nos últimos anos.

“A ideia de que ‘cada criança tem seu tempo’, pode atrasar a busca da família por ajuda e diminuir as opções de intervenções e tratamentos precoces para as crianças”, reitera. Com 15 dias de vida é possível fazer avaliações, como a observação do frênulo da língua, feito ainda na maternidade. Depois são feitos testes de audição para ver se a criança escuta ou não, pois esse fator é relevante para o progresso da fala.

A princípio, o tratamento irá depender do diagnóstico relacionado ao atraso, que deve ser feito por um pediatra. Por exemplo, atrasos na fala, na linguagem e nas interações podem ter muitas causas que exigem precisão no diagnóstico. Síndrome de Down, problemas durante a gestação e Transtorno do Espectro Autista são alguns distúrbios ligados aos sintomas.

Por isso, é importante observar o repertório da fala até o primeiro ano de vida. A criança precisa ter no seu vocabulário palavras como “mamã”, “papá”, “água”, “bobó” (vovó) e precisa ter um vocabulário de fala. “Esse é um marco pontuado pelas referências científicas. A partir daí, as avaliações são cada vez mais minuciosas para perceber as questões mais sutis não só da comunicação, mas do desenvolvimento neurológico da criança”, explica a fonoaudióloga.

Marcos do desenvolvimento infantil

Acompanhe a evolução do bebê para avaliar possíveis alterações e recorrer a um pediatra ou fonoaudiólogo com especialização infantil.

  • Primeiros quatro meses: é esperado mexer os olhos em todas as direções, sorrir para as pessoas, alcançar brinquedos, sustentar a cabeça, empurrar as perninhas e imitar sons.
  • Até os seis meses: o bebê rola nas duas direções, reconhece familiares, responde com sons ao que ouve, tenta pegar objetos, começa a se sentar sem apoio e ri ou grita.
  • A partir dos nove meses: começa o apego com familiares, entende o “não”, balbucia palavras “mama” e “papa”, faz movimento de pinça com os dedos e se senta sem suporte.
  • 12 meses: responde comandos simples de voz, tenta reproduzir palavras, copia gestos, fica de pé apoiado, tem coisas e pessoas favoritas e pode dar passos.
  • 18 meses: entrega objetos às pessoas, fala palavras simples, acena a cabeça para “sim” e “não” e anda sozinho.
  • 24 meses: é capaz de imitar os outros, gosta de brincar com outras crianças, conhece nome de familiares e objetos, fala frases de duas a quatro palavras. Além disso, aprende a chutar uma bola e começa a correr e entender cores e formas.

Fonte: Daniella Brom, fonoaudióloga e diretora do BakyKids Centro de Especialidades.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

bebê pode comer camarão
Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade

Bebê pode comer camarão? Pediatra explica

Crianças podem ser introduzidos a frutos do mar a partir dos 6 meses de idade, segundo a SBP