Dengue: conheça as causas, sintomas e como prevenir

31 de março, 2022

A dengue é uma doença infecciosa comum em países de clima tropical. Isso porque o vírus causador da enfermidade, classificado no meio científico como um arbovírus, é transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti, que também é responsável pela transmissão da chikungunya, febre amarela e Zika.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), o período do ano com maior transmissão da doença ocorre nos meses mais chuvosos de cada região, geralmente de novembro a maio. O acúmulo de água parada contribui para a proliferação do mosquito, portanto, é importante adotar medidas que evitem a questão.

Sintomas da dengue

A dengue pode ter diferentes apresentações clínicas e de prognóstico imprevisível. Dessa forma, os primeiros sintomas aparecem de quatro a 10 dias depois da picada do mosquito infectado. A doença começa bruscamente e se assemelha a uma síndrome gripal grave caracterizada por febre alta, dor no corpo e nas articulações, incômodo atrás dos olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. Contudo, enquanto alguns podem apresentar quadros mais graves da doença, em outras, ela pode ser assintomática.

Em casos de dor abdominal intensa e contínua, náuseas, vômitos persistentes e sangramento de mucosas, é preciso ir ao hospital o quanto antes, pois os sinais indicam o extravasamento de plasma e/ou hemorragias, que podem levar o paciente a choque grave e óbito.

A princípio, uma infecção curada de dengue confere ao paciente imunidade contra o tipo de vírus responsável. Por existirem quatro tipos diferentes de vírus (DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4), para estar totalmente imunizado, é necessário ter tido contato com todos eles. Caso contrário, a cada contágio com um novo tipo de vírus, os sintomas são mais intensos e o risco de desenvolver a dengue grave é mais alto.

Leia também: Vacina da dengue: Quando tomar, doses e efeitos

Diagnóstico

Geralmente, o diagnóstico da dengue é feito mediante sorologia para determinar a presença de anticorpos contra o vírus no sangue, mas não determina especificamente qual tipo de vírus é responsável pela infecção. Métodos de biologia molecular mais elaborados podem ser utilizados para detectar as proteínas do vírus.

Como funciona o tratamento

Em casos leves e moderados, a recuperação da dengue envolve alguns hábitos que ajudam o próprio sistema de defesa do corpo a combater o vírus. Por exemplo:

Leia também: Fake News: suco de inhame não cura dengue

Como prevenir a dengue

A vacina é a melhor forma de prevenir a dengue. Desde o fim de 2015, a primeira vacina contra dengue foi registrada em diferentes países para ser usada em indivíduos de 9 a 45 anos vivendo em áreas endêmicas ou de risco. Outras vacinas com diferentes tipos do vírus se encontram em período de desenvolvimento. De modo geral as vacinas têm mostrado uma efetividade positiva (até 90%) dependendo do tipo de vírus que causa a infeção, do tipo de indivíduos vacinados e do local onde tem sido implementada; igualmente o tempo de duração da proteção está sendo estudado.

Além disso, ações simples podem ajudar no combate ao mosquito Aedes aegypti. Dessa forma, o segredo está nos cuidados com os diferentes ambientes, principalmente no quintal de casa. Entre as medidas que podem ser adotadas estão:

  • Evitar água parada em pequenos objetos, pneus, garrafas e vasos de planta;
  • Manter a caixa d’água sempre fechada e realizar limpezas periódicas;
  • Vedar poços e cisternas;
  • Descartar o lixo de forma adequada.

Fonte: Fiocruz, Instituto Butantã e Ministério da Saúde.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde