Câncer de pênis: conheça as causas, sintomas e tratamentos

Saúde
11 de Fevereiro, 2022
Câncer de pênis: conheça as causas, sintomas e tratamentos

O pênis é um órgão do aparelho reprodutor e urinário masculino que pode ser acometido por algumas doenças, como as infecções sexualmente transmissíveis, ou tumores. É o caso do carcinoma espinocelular, popularmente chamado de câncer de pênis, caracterizado por lesões, feridas e úlceras indolores que aparecem no órgão. 

A doença é considerada um problema de saúde pública no Brasil, especialmente em nações com menor IDH (índice de desenvolvimento humano). Por aqui, representa 2% dos tumores malignos que atingem os homens, sendo que os índices mais preocupantes estão nas regiões Norte e Nordeste.

As causas e fatores de risco do câncer de pênis

O desenvolvimento do câncer de pênis tem relação direta com a má higiene íntima e com a falta de circuncisão (fimose), ou seja, homens que não removeram o prepúcio, pele que reveste a glande – a “cabeça” do pênis. Os principais fatores de risco para o surgimento do câncer de pênis são:

  • Baixas condições socioeconômicas. 
  • Más condições de higiene associadas à presença de fimose, uma pele que dificulta a exposição da glande.
  • Idade.
  • Tabagismo.
  • HPV’s oncogênicos.

Ademais, outras questões também podem estar associadas ao câncer de pênis, como a obesidade, o vírus do HIV e a zoofilia. Além disso, alguns pacientes que têm psoríase nas áreas próximas ao pênis e que fazem tratamento com luz ultravioleta têm o risco aumentado para o desenvolvimento do tumor ao longo do tempo. 

Sintomas

O principal sintoma do câncer de pele é o aparecimento de uma ferida no pênis que não cicatriza facilmente. Essa ferida é, geralmente, indolor, e vai crescendo e destruindo os órgãos do local, principalmente no caso do tumor espinocelular do pênis, que cresce localmente infiltrando profundamente o órgão e aumentando o risco de metástase em outras regiões. 

“Toda ferida na ponta do pênis que demora para cicatrizar ou que não cicatrize deve ser avaliada por um médico o mais rápido possível. Quanto mais rápido o diagnóstico, menos mutilante é o tratamento”, afirma o médico.

Também é necessário ficar de olho naquela pele que fica em volta da cabeça do pênis, a fimose. O sinal de alerta precisa ser aceso quando o homem não consegue puxar a pele que encobre a glande, o que não a deixa ficar exposta, ou quando tem a sensação de que o órgão está sendo esmagado.

Como prevenir o câncer de pênis

A boa notícia é que é possível prevenir o câncer de pele. Para isso, de acordo com o médico, o tratamento deve ser o mais cedo possível. Além disso, deve-se lavar o pênis com água e sabão diariamente. A vacinação contra o HPV também diminui o risco de desenvolver tumores no pênis. O imunizante está disponível no SUS para garotos de 11 a 14 anos. Por fim, fazer o tratamento e prevenção da obesidade também ajuda a diminuir a incidência e gravidade desse tumor.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico do câncer de pênis é clínico, realizado após o aparecimento de ferida, lesão ou úlcera no pênis. Ainda de acordo com o especialista, já o tratamento para câncer de pênis é, basicamente, cirúrgico em todas as suas fases. “Quanto menor e mais superficial for o tumor, mais conservadora será a cirurgia para tratar de câncer de penis. Quando os tumores se infiltram profundamente, há a necessidade de amputação do órgão, que pode ser parcial ou total. Por isso, quanto antes o diagnóstico, mais chance de cura”, completa o Dr. Gustavo.

Reconstrução de pênis já é realidade no Brasil

Anualmente, em média, 510 homens têm o pênis amputado por causa de câncer no órgão. Além disso, a doença, nos últimos 14 anos, levou 7.186 pessoas a removerem o membro. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Na maioria das vezes, a parte que sobra da amputação permite ao paciente urinar de pé, mas dificulta a penetração, o que gera vários problemas psicológicos e emocionais. Por isso, cirurgias de reconstrução de pênis podem trazer de volta a autoestima desses homens e já estão disponíveis no Brasil.

Fonte: Gustavo Guimarães, cirurgião oncológico e diretor do Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica (IUCR) e coordenador geral dos Departamentos Cirúrgicos Oncológicos do grupo BP-A Beneficência Portuguesa de São Paulo; Jornal Folha de São Paulo.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio