Bronquite: o que é, causas, sintomas, tratamento e mais

5 de agosto, 2022

A bronquite é nada mais que a inflamação das vias aéreas — no caso, os brônquios, responsáveis pelo transporte direto do ar para os pulmões. Como resultado, a pessoa sente bastante desconforto para respirar, dentre outros sintomas.

Veja também: Afinal, qual a diferença entre rinite, sinusite e bronquite?

Causas da bronquite

Sabe-se que algumas pessoas já nascem com predisposição genética para a bronquite, e portanto, uma das causas pode ser hereditária. Porém, em outros casos, a condição pode surgir quando há exposição a um determinado agente que causa alergia ou infecção. Na maioria das vezes, a bronquite se desencadeia por:

  • Vírus e bactérias.
  • Ácaros presentes em colchões, travesseiros, lençóis e outros tecidos.
  • Poluição nas grandes cidades.
  • Inalação de substâncias nocivas ao organismo.
  • Contato com bolor e mofo no ambiente.

Além disso, a bronquite é mais comum nos dias frios e secos do inverno. Isso porque, nesses períodos, as vias aéreas sentem mais irritação dos agentes causadores da bronquite. Quem costuma ter mais sensibilidade no nariz e garganta são mais suscetíveis à mudança.

Leia também: Bolor e mofo agravam bronquite: Como evitar

Tipos e sintomas

A princípio, a bronquite possui dois tipos: a aguda e a crônica. A primeira dura algumas semanas e pode ser consequência de uma infecção bacteriana ou viral, mas que melhora com o devido tratamento. Por sua vez, a crônica pode incomodar a pessoa por meses, ser recorrente e mais resistente a tratamentos. Geralmente a bronquite crônica está associada a outras doenças respiratórias da mesma classe, como a asma e a DPOC. Ambas possuem os mesmos sintomas, que são:

  • Tosse produtiva (com catarro), que pode ser amarelado, dependendo do avanço da infecção.
  • Chiado vindo do pulmão.
  • Falta de ar.
  • Desconforto torácico.
  • Cansaço e fadiga.

Fatores de risco para a bronquite

Além da predisposição genética, crianças, idosos e mulheres são mais propensos à bronquite. Outras condições e hábitos também podem favorecer a doença. Por exemplo:

  • Tabagismo e fumo de outras substâncias inalatórias.
  • Obesidade.
  • Estresse.
  • Exposição a substâncias nocivas (morar em locais com muita poluição, por exemplo).

Diagnóstico

A análise clínica dos sintomas é importante. Em conjunto com a avaliação do histórico e estado de saúde do paciente, exames de imagem, como o raio-X, são necessários para confirmar o quadro. Além disso, o médico pode solicitar o teste de função pulmonar ou espirometria, que dão informações mais detalhadas sobre a condição dos pulmões e trocas gasosas.

Tratamento

O diagnóstico é feito primordialmente pela análise clínica, com histórico familiar e com o exame de função pulmonar conhecido como espirometria. Assim que é feita a confirmação da bronquite, o paciente é encaminhado para o tratamento. 

Ele consiste em aliviar as crises dessa doença e por meio de manutenção preventiva. Em casos mais graves, pode ser indicado o uso de medicamentos de acordo com os sintomas mais comuns, seguindo a prescrição e orientação do médico.

Por fim, para prevenir as crises respiratórias, sugere-se evitar locais com mofo, poeira, alérgenos e fumaça de cigarro, além de usar a medicação de manutenção corretamente, ter uma boa alimentação e realizar atividade física regularmente.

Como se prevenir

Felizmente, boa parte dos casos são evitáveis. Veja os cuidados necessários:

  • Mantenha a casa e ambiente sempre limpos: por isso, troque roupas de cama, lave cortinas, tire o pó e limpe o chão com frequência.
  • Evite situações e fatores que podem prejudicar o quadro infeccioso: isso inclui ficar longe de pelos de animais e pessoas doentes.
  • Proteja-se com agasalhos em dias mais frios: principalmente se você fica muito tempo em locais externos e pratica atividades físicas ao ar livre.
  • Cuide da imunidade: o sistema imunológico fortalecido com boa alimentação, descanso e movimento previnem doenças respiratórias.
  • Faça o tratamento de doenças crônicas: controle enfermidades como obesidade, asma, DPOC e demais condições que contribuem para a bronquite.
  • Aposte na atividade física: o movimento ajuda a minimizar a incidência de doenças respiratórias.

Perguntas frequentes sobre bronquite

Qual a diferença entre asma e bronquite?

Ambas atingem os brônquios. No entanto, a bronquite asmática, também chamada de asma brônquica ou apenas asma, é uma doença de causa alérgica. Já a bronquite tem origem viral, bacteriana ou pelo tabagismo. Para o diagnóstico correto, é importante buscar a ajuda médica. Afinal, os medicamentos mudam de acordo com a enfermidade.

A bronquite é uma doença contagiosa?

Diferentemente da asma, esse problema respiratório pode se disseminar para outras pessoas, pois vírus e bactérias são os principais responsáveis pela infecção.

Quais médicos devo procurar?

A princípio, o pneumologista é o profissional mais apto a diagnosticar e tratar a bronquite. Todavia, um clínico geral ou otorrinolaringologista também podem identificar o quadro e direcionar o paciente para outra especialidade, se for o caso.

Fonte: Marcela Hercos Fatureto, pneumologista.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.