Asma grave: uma doença sem cura que pede cuidados contínuos

Saúde
30 de Maio, 2022
Asma grave: uma doença sem cura que pede cuidados contínuos

Dentre as doenças respiratórias, a asma é bastante comum. Uma condição crônica, ela é causada por uma inflamação das vias aéreas e acomete crianças e adultos. Alguns estudos estimam que existam mais de 20 milhões de brasileiros com asma, sendo essa uma das principais causas de internação no SUS e de faltas no trabalho e na escola. Assim como outras doenças, divide-se a asma em níveis de gravidade. Entenda melhor sobre a asma grave, de acordo com o pneumologista Dr José Eduardo Delfini Cançado:

O que é asma grave?

“A asma grave é a forma mais agressiva dessa doença respiratória”, explica. “Nela, os sintomas, como falta de ar e fôlego curto, chiado, opressão no peito e dificuldade para realizar atividades do cotidiano, são mais intensos e constantes.”

Os asmáticos graves chegam a procurar os hospitais 15 vezes mais que os outros pacientes e são hospitalizados 20 vezes mais quando a doença está fora de controle.

Ela pode ser bastante debilitante, impedindo que o paciente realize atividades do cotidiano, como subir escadas, praticar atividade física e até arrumar a casa. Sem contar o impacto social e econômico, uma vez que também interfere no seu emocional, afetando relações pessoais e profissionais.

Leia também: Asma: Alimentos que ajudam a aliviar os sintomas

Tratamentos

A asma é uma doença sem cura, mas que é possível controlar. Por isso, normalmente trata-se com corticoides inalatórios e orais. Uma novidade no tratamento é o uso de imunobiológicos, que mudaram o manejo de várias doenças autoimunes, incluindo a asma grave.

“Esses medicamentos de última geração servem para tratar os casos da doença que não respondem ao tratamento convencional”, diz o pneumologista. “Eles servem como tratamento complementar de manutenção na asma grave, para pacientes adultos, adolescentes e crianças a partir dos 6 anos.”

Os imunobiológicos reduzem exacerbações, internações hospitalares e visitas aos prontos-socorros causadas pelas crises de asma. Além disso, essa classe de medicamentos também diminui a necessidade de altas doses de corticoide, associado a efeitos colaterais graves, como o diabetes, a osteoporose, a hipertensão, a obesidade, a catarata, a depressão e a ansiedade, entre outros.

Leia também: Microbiota intestinal e asma: entenda a relação

É possível reverter um caso de asma grave?

Como já foi dito, a asma é uma doença inflamatória sem cura, no entanto, podemos e devemos controlá-la, de forma que o paciente tenha e mantenha a sua qualidade de vida.

O controle da asma grave deve ser feito a vida toda. Por isso, o paciente precisa estar sempre engajado no tratamento e segui-lo com responsabilidade e comprometimento.

“Como? Indo a consultas regulares, fazendo os exames de controle prescritos pelo médico, usando a medicação de forma contínua (não apenas em momentos de crise), evitando a automedicação e adotando hábitos mais saudáveis de vida”, finaliza o médico.

Fonte: Dr José Eduardo Delfini Cançado, médico pneumologista.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas