Artrogripose: tudo sobre a síndrome que afeta bebês

Gravidez e maternidade Saúde
01 de Abril, 2022
Artrogripose: tudo sobre a síndrome que afeta bebês

A artrogripose múltipla congênita é uma condição rara que se manifesta durante a formação do bebê na gestação. Como resultado, ocorre a malformação ou deformação das articulações e tendões do feto, que se tornam fibrosos e espessos, além de atrofia muscular. Por essa razão, o bebê apresenta limitações nos movimentos ligados às articulações e membros afetados pela doença.

Veja também: Check-up infantil: quais são os principais exames e a frequência das consultas?

Quais são as causas da artrogripose?

Segundo Carolina Cunha, médica ginecologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, não se sabe ao certo o que leva à artrogripose. “A princípio, acredita-se que a principal causa é a falta de movimento do bebê dentro do útero, que danificaria as articulações e atrofiaria os músculos, resultando na limitação dos movimentos”, explica.

Esse tipo que tem como maior responsável a compressão do bebê é chamado amioplasia ou artrogripose clássica. Outra variação é a artrogripose distal, que está provavelmente ligada a anomalias genéticas que levam a outras síndromes, como defeitos esqueléticos e doenças musculares. Este último caso normalmente não atinge as articulações maiores, mas prejudica mãos e pés.

Contudo, outras condições também podem ser responsáveis pela síndrome:

  • Anencefalia e redução das células nervosas da medula.
  • Perda de líquido amniótico.
  • Gestações gemelares, que fazem com que haja menos espaço no útero.
  • Complicações da saúde da mãe e diferentes modificações genéticas.

De que forma é feito o diagnóstico?

Em síntese, o maior sinal ou sintoma da artrogripose é a falta de movimento das articulações, sobretudo se for a amioplasia. “Portanto, na hora do nascimento, o médico já consegue identificar se o bebê possui artrogripose ou não, pois a criança nasce com a articulação estendida ou flexionada, e não consegue mudar a posição”, explica Cunha, que alega que o diagnóstico pré-natal é muito difícil. “Pode-se suspeitar quando encontramos a combinação de acinesia fetal (bebê que não se mexe), posição anormal dos membros, retardo de crescimento intrauterino e polidrâmnio (líquido amniótico excessivo)”, acrescenta.

Afinal, existe tratamento para a artrogripose?

Muitas mães e família do bebê ficam preocupadas com as condições da malformação. Sobretudo por sentirem medo da gravidade da situação, que afeta cada bebê de forma diferente. Felizmente a artrogripose tem cura e o tratamento pode começar logo nas primeiras semanas de vida. “Essa condição não é progressiva, então o objetivo do tratamento é deixar a criança independente. Cada caso é diferente, portanto, o tipo de tratamento depende disso. Podem ser feitas cirurgias específicas — para liberar aos poucos os movimentos, tratamento através de troca gessada — com trocas de gesso periódicas que colocam a articulação no lugar, com o tempo e a fisioterapia para retomar os movimentos aos poucos”, detalha Cunha.

Fonte: Carolina Cunha, médica ginecologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo (SP); e Revista Brasileira de Ortopedia.

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança