Alimentos para depressão: estudo aponta importância das frutas

Considerado o segundo cérebro, o intestino influencia no funcionamento de vários processos no organismo. Diversos estudos já mostraram que a alimentação tem grande impacto sobre a saúde mental de um indivíduo. Pesquisadores da University of South Australia, por exemplo, descobriram que dietas gordurosas aumentam as chances do desenvolvimento de quadros depressivos e de Alzheimer. Por outro lado, um estudo da Universidade de Tecnologia de Sidney revelou que a dieta mediterrânea, baseada sobretudo no consumo de alimentos frescos e naturais, ajuda a aliviar sintomas de transtornos depressivos. Mas além de alimentos para depressão, você sabia que o consumo de frutas pode colaborar para a prevenção da condição?

Um estudo, publicado na revista British Journal of Nutrition e conduzido por pesquisadores da Universidade de Aston, no Reino Unido, mostrou que pessoas que comem frutas diariamente são menos propensas a desenvolverem depressão.

A pesquisa envolveu 428 pessoas que tinham, em média, 40 anos. Os líderes do estudo entrevistaram os participantes e os questionaram acerca dos hábitos alimentares, incluindo o consumo diário de frutas, legumes e lanches salgados. Também foram coletadas informações sobre a saúde mental dos voluntários e possíveis sintomas de depressão e outros transtornos.

Por fim, descobriu-se que a maioria dos participantes consumia duas frutas por dia. Entretanto, aqueles que comiam uma quantidade de frutas acima da média relataram ter menos sintomas de depressão e maior sensação de bem-estar. Além disso, os indivíduos que tinham o hábito de comer lanches salgados, por exemplo, salgadinhos, mais de três vezes por semana, confessaram sentir mais ansiedade, estresse e indícios de depressão.

Importância das frutas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de 5 porções (de 80 gramas cada) de frutas por dia. Além disso, é importante tentar variar as opções para diversificar e absorver mais nutrientes. Vale destacar que os sucos não substituem a porção de frutas, e é sempre melhor priorizar o consumo in natura. 

Tais alimentos podem ser consumidos tanto como sobremesa, pós-almoço ou após o jantar, como no café da manhã e nos lanches rápidos entre as refeições principais. Além disso, as frutas devem fazer parte de qualquer dieta. A única coisa que muda são as quantidades e as opções.

Assim, para um cardápio alimentar de emagrecimento, por exemplo, é melhor investir em frutas com baixo aporte calórico — geralmente as que contêm mais fibras e água. Por outro lado, quem deseja ganhar massa muscular deve priorizar opções anabólicas, como mamão, banana e melancia

Alimentos para depressão: além das frutas

Os alimentos para depressão não passam de opções consideradas saudáveis e nutritivas. De forma geral, indica-se o consumo de opções frescas e naturais em detrimento de itens industrializados, açucarados e gordurosos. Além disso, a vitamina B12, presente em carnes, peixes, frangos, laticínios e ovos; e o ômega-3, encontrado em sardinha, atum, linhaça, nozes e chia, também são fontes alimentares fundamentais para proteger os sintomas depressivos.

A hidratação é outro ponto essencial. Por isso, esteja sempre acompanhado de uma garrafinha de água. Caso você esteja acostumado a pular o café da manhã, vale repensar esse hábito e tentar incluí-lo na sua rotina. O consumo de carne vermelha e sal também deve ser reduzido. Por fim, busque alimentar-se em um ambiente agradável e sem pressa.

Leia mais: A conexão entre a dieta e a depressão

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.