Variante Gama e Delta do coronavírus: Entenda as diferenças

Saúde
02 de Setembro, 2021
Variante Gama e Delta do coronavírus: Entenda as diferenças

Desde o início da pandemia, os cientistas vêm acompanhando os casos de variantes do coronavírus. Assim, embora a variante Gama ainda seja predominante no Brasil, casos de infecção pela Delta se multiplicam no País — principalmente no estado do Rio de Janeiro. Mas você sabe qual a diferença entre ambas? 

Qual das variantes do coronavírus é mais transmissível?

De acordo com Robert Fabian Crespo Rosas, médico e professor de Infectologia do Centro Universitário São Camilo, a variante Delta é mais transmissível. 

“Isso tem sido observado a partir de estudos, onde nota-se que pacientes que foram infectados pela variante Delta têm uma maior concentração de vírus. Tanto na orofaringe quanto nas vias respiratórias de uma forma geral. Ou seja, o vírus se multiplica muito mais – segundo análises, de quatro a cinco vezes mais que as variantes anteriores”, explica.

É o que mostra um estudo recente feito na Coreia do Sul, onde dosaram a quantidade de vírus presente no sangue de indivíduos infectados pela variante Delta. Dessa maneira, os pesquisadores viram que a quantidade de vírus presente na corrente sanguínea de indivíduos infectados pela variante Delta é trezentas vezes maior que o das pessoas contaminadas por outras variantes.

“Esse fato de a variante ter uma grande multiplicação viral dentro do organismo de uma pessoa faz com que ela possa eliminar mais vírus no ambiente, o que permite transmitir para mais pessoas”, diz  Robert.

Leia também: Posso beber depois de tomar a vacina de Covid-19?

Qual das variantes do coronavírus causa efeitos mais graves?

O médico aponta que, entre as duas, a variante Delta parece ser mais agressiva. Isto é, capaz de criar casos mais graves. 

“A Delta já é a variante predominante nos Estados Unidos, na Índia e no continente europeu. Portanto, segundo estudos realizados em todas essas regiões, percebe-se que mais pessoas adoecem e acabam desenvolvendo formas mais graves da doença”, afirma.

Leia também: Cientistas estão criando uma vacina contra diferentes coronavírus

E quanto ao efeito das vacinas sobre essas variantes?

A grande dúvida da população é sobre o quanto as variantes podem afetar o efeito das vacinas. 

“A capacidade de multiplicação das duas cepas, tanto no indivíduo não-vacinado quanto no vacinado, é a mesma. Observaram que a replicação da variante Delta no paciente não-vacinado e no vacinado com as duas doses é exatamente igual. Assim, as pessoas podem se perguntar ‘por que eu me vacinei então, se o vírus se multiplica em mim da mesma forma?’.”

Robert ainda explica que a diferença entre quem tomou e quem não tomou a vacina é que o indivíduo vacinado tem uma redução rápida na quantidade de vírus no organismo, no decorrer de sete a oito dias. “O mesmo não ocorre em quem não se vacina. Por isso, caso seja infectado com o coronavírus estando imunizado, você tem uma queda rápida da quantidade de vírus no corpo até que não haja mais danos ao organismo.” finaliza.

Fonte: Robert Fabian Crespo Rosas, médico e professor de Infectologia do Centro Universitário São Camilo.

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio