Transtorno Explosivo Intermitente: O que é e tratamento

Bem-estar Equilíbrio
13 de Dezembro, 2019
Transtorno Explosivo Intermitente: O que é e tratamento

A forma como você lida com a raiva diz muito sobre sua saúde, é uma emoção normal e genuína. Entretanto, se passa do limite, pode virar um tipo de transtorno psiquiátrico, como o Transtorno Explosivo Intermitente.

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) é a dificuldade que alguém tem de controlar suas emoções que incapacitam o indivíduo de gerenciar seus impulsos. O que leva a pessoa a um comportamento agressivo, explosivo, com ataque de fúria desproporcional ao evento que levou a isso. Podem variar de gritaria, xingamento, até agressões físicas.

Leia também: Como lidar com o estresse

É normal se sentir estressado diante de situações com muita pressão e dificuldades da vida. O estresse é maneira como nos sentimos quando o nosso organismo reconhece uma situação de alerta e perigo. No entanto, o TEI é a resposta comportamental de maneira desorganizada que será sempre desproporcional a ocasião. Ela é medida pela intensidade, frequência e ações de quem sofre com este transtorno.

O que pode causar o TEI?

Segundo o psicólogo Edinei Andrade, o desenvolvimento ocorre por diversos fatores de ordem bio-psico-social: biológica (disposição genética, lesões cerebrais); psicológica (aparecimento dos outros transtornos mentais, de personalidade, de humor); social (o meio em que a pessoa cresce e vive, intimidade com a agressividade na família desde da infância, local com vizinhança agressiva; abuso físico na infância e ainda como o uso de substâncias como álcool e drogas).

Viver em um lar em que os pais estão o tempo todo brigando e se agredindo pode ser um fator para desencadear diversos transtornos. Sendo assim, podem ser desde uma postura de insegurança nas relações, ter baixa autoestima, ou até mesmo cometer a repetição do comportamento agressivo dos pais como meio de defesa as circunstâncias do mundo.

Sintomas do Transtorno Explosivo Intermitente

Segundo  o DSM-5 (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), as explosões de raiva, característica do TEI, são classificadas em dois tipos: “leves” ou “severas”. Diante disso, as chamadas explosões “leves” são ameaças, xingamentos, ofensas, gestos obscenos, ataque de objetos e agressões físicas sem lesão corporal. Então, elas precisam ocorrer com uma frequência média de 2 vezes na semana por um período mínimo de 3 meses.

  • As explosões mais severas são destruição de propriedade/patrimônio e ataques físicos com lesão corporal e precisam acontecer ao menos 3 episódios dentro do período de um ano.
  • A magnitude de agressividade expressa durante as explosões recorrentes é grosseiramente desproporcional em relação à provocação ou a quaisquer estressores psicossociais precipitantes.
  •  As explosões de agressividade recorrente não são premeditadas (ou seja, são impulsivas ou decorrentes de raiva) e não têm por finalidade atingir algum objetivo tangível (por exemplo, dinheiro, poder, intimidação).
  • Explosões recorrentes causam sofrimento acentuado ao indivíduo ou prejuízo no funcionamento profissional e interpessoal, ou estão associadas a consequências financeiras.
  • Normalmente, ocorre em crianças a partir dos 6 anos.
  •  Os ataques agressivos não são devidos ao uso de substâncias (álcool, drogas, medicamentos) e nem devido a qualquer outra condição psicológica (transtorno depressivo maior, transtorno bipolar, transtorno psicótico, transtorno de personalidade antissocial, transtorno de personalidade borderline) ou médica (traumatismo craniano, Alzheimer).

Quais são os tratamentos?

O tratamento consiste na combinação de psicoterapia e medicação. “O papel do psicólogo é através das sessões terapêuticas reduzir os sintomas e prejuízo, diminuindo a frequência e intensidade com que os episódios de fúria acontecem. Assim, como no tratamento dos transtornos de humor, além das atividades de técnica da TCC (Terapia Cognitiva Comportamental), analisando o estilo de vida dos meus pacientes recomendo a prática de relaxamento e atividades físicas aeróbicas para aumento na produção de hormônio que dão a sensação de prazer, tranquilidade” explica o profissional.

Leia também: Alimentos que aliviam o estresse

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

mulher praticando chutes em um ringue com seu treinador
Bem-estar Movimento

Kickboxing: tudo o que você precisa saber sobre a modalidade

O esporte de combate desarmado em pé que combina técnicas de soco e chutes

Divertida Mente
Bem-estar Equilíbrio

Divertida Mente: psiquiatra explica por que ansiedade é cada vez mais comum

O filme destaca o surgimento da ansiedade na mente humana, em meio às reflexões da formação dos múltiplos sentimentos

jejum intermitente efeito
Alimentação Bem-estar

Quantas horas de jejum intermitente são necessárias para ter efeito?

Há muitas formas de praticar o jejum e seus efeitos também variam. Entenda