Síndrome de Guillain-Barré: o que é, sintomas, causas e mais

Saúde
10 de Julho, 2023
Síndrome de Guillain-Barré: o que é, sintomas, causas e mais

A síndrome de Guillain-Barré repercutiu na imprensa com a declaração de estado de emergência no Peru para a doença neste último sábado (8). A decisão ocorreu após a morte de quatro pessoas por conta da síndrome, cujo decreto deve durar 90 dias. Desde o começo do ano, o país registrou 182 casos, o equivalente a uma pessoa por dia.

Embora seja uma situação local, a notícia se espalhou rapidamente pelo mundo, já que a enfermidade pode ser mortal. Com a preocupação coletiva, o governo peruano reforçou que a doença não é contagiosa. Além disso, disponibiliza uma linha telefônica gratuita para a população tirar dúvidas sobre sintomas, causas e outras informações relevantes.

O surto no país não é inédito — em 2019, o Peru também recorreu apelou ao estado emergencial depois do aumento de casos incomuns da Guillain-Barré.

Veja também: Dengue ou febre maculosa? Saiba diferenciar os sintomas

O que é a síndrome de Guillain-Barré?

De acordo com o Ministério da Saúde, a Guillain-Barré é uma doença de incidência rara e autoimune. Em outras palavras, o sistema imune, ao invés de defender o organismo, ataca uma parte dele. Nesse caso, a síndrome afeta o sistema nervoso.

No Brasil a prevalência anual é de 1 a casos para 100 mil habitantes, mais frequente entre indivíduos com 20 a 40 anos de idade.

Quais são as causas?

Não existe uma única razão para o desenvolvimento da síndrome. Contudo, os pacientes têm em comum o histórico recente de infecções variadas. Por exemplo, infecções respiratórias (incluindo Covid-19), urinárias e gastrointestinais. A causa mais comum provém da infecção intestinal da Campylobacter, que provoca diarreia.

Outras doenças que podem ser fator de risco para a síndrome de Guillain-Barré:

  • Dengue.
  • Chikungunya e Zika.
  • Sarampo.
  • Influenza A (gripe).
  • AIDS.
  • Hepatites.

Sintomas da síndrome de Guillain-Barré

O principal sistema que sofre com o ataque dos anticorpos é o nervoso. O processo inflamatório deteriora a bainha de mielina, que recobre e protege os neurônios.

Os primeiros sintomas são leves, com formigamento e fraqueza nos pés e pernas, que se disseminam para a parte superior do corpo. No entanto, conforme a evolução do quadro, o formigamento e a fraqueza ficam mais intensos, podendo levar à paralisia.

Mais sintomas que precisam de atenção

  • Tremores e perda da estabilidade ao fazer uma caminhada, devido à fraqueza dos músculos. 
  • Formigamento que se assemelha a pontadas de agulhas, que geralmente aparece nos dedos, tornozelos e pulsos.
  • Dores no corpo que pioram à noite.
  • Dificuldade para mover os músculos da face, incluindo falar, mastigar, engolir e mexer os olhos.
  • Hipotensão (pressão baixa) e frequência cardíaca acelerada.
  • Falta de fôlego para fazer atividades simples — conversar, por exemplo.
  • Confusão mental e sonolência.

Diagnóstico e tratamento

A identificação se dá pela avaliação dos sintomas e por exames diversos: laboratoriais, eletroneuromiografia, punção lombar ou da coluna vertebral e ressonância magnética.

Se houver suspeita do quadro, a internação é uma forma de acompanhar os sinais vitais do paciente e os sintomas. Afinal, a síndrome pode progredir rapidamente — às vezes, em menos de 24h — e gerar complicações. As mais comuns são pneumonia aspirativa, embolia pulmonar e sepse.

Já a linha de cuidados dependerá do estado de saúde e do tipo da síndrome. Existem dois caminhos:

Plasmaférese: funciona como uma espécie de hemodiálise, mas que filtra especificamente o plasma do sangue. O plasma é a parte líquida que contém os anticorpos responsáveis pela reação contra o sistema nervoso. Feita a filtragem, o paciente ainda pode receber uma transfusão de plasma para amenizar a reação do sistema imune.

Uso de imunoglobulina: é um medicamento que também é produzido com plasma sanguíneo com anticorpos saudáveis de doadores de sangue. Nesses casos, o paciente recebe a dosagem via intravenosa.

Fisioterapia: como a síndrome costuma comprometer os movimentos, a fisioterapia é uma aliada da recuperação da mobilidade. Além disso, os exercícios respiratórios podem ser necessários na reabilitação, já que a doença prejudica esse sistema.

Expectativa de melhora (prognóstico)

Na maioria dos casos, a recuperação da síndrome de Guillain-Barré é positiva. Com o tratamento precoce, os sintomas e o processo inflamatório costumam desaparecer entre dias e semanas.

Porém, conforme a gravidade, o indivíduo pode desenvolver a manifestação crônica da doença, que provoca fraqueza muscular gradativa por oito semanas ou mais. Nesse sentido, o tratamento é mais longo e pode incluir outros tipos de medicamentos, como corticoides.

Quanto à mortalidade, 5% a 15% morrem pela doença, segundo dados do Ministério da Saúde.

Referências: MSD Manuals; BP – A Beneficência Portuguesa; Mayo Clinic; e Ministério da Saúde.

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

dores nos glúteos e problemas na coluna
Saúde

Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Pesquisa aponta problemas na coluna como uma das principais causas de afastamento do trabalho

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

10 benefícios da banana que provavelmente você não conhece (mais receitas)

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

perda muscular
Bem-estar Movimento Saúde

Perda muscular compromete a recuperação do paciente  

A sarcopenia, a perda de massa muscular e da força, aumenta o risco de complicações em diversos quadros