Sequelas da Covid no pulmão: Susana Vieira é internada no RJ

5 de agosto, 2022

São várias as consequências que o coronavírus podem deixar no organismo. A atriz Susana Vieira foi internada no início desta semana para tratar as sequelas da Covid-19 no pulmão. A atriz de 79 anos está recebendo medicação intravenosa no CTI de um hospital em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Susana possui um tipo de leucemia (LLC – Leucemia Linfocítica Crônica), diagnóstico que recebeu em 2015. “Estou bem. A Covid deixou sequelas no pulmão e precisei fazer um ciclo de medicação venosa, por isso estou internada. Como tenho leucemia, é protocolo a internação em CTI. Com a medicação e fisioterapia, em breve, estarei em casa”, declarou a artista.

Estudo descreve padrões de sequelas da Covid no pulmão

O SARS-CoV-2 causa dano no pulmão de formas variadas. Em estudo recente, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e colaboradores analisaram amostras pulmonares de 47 pessoas que morreram em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) causada pelo coronavírus e identificaram dois padrões bem distintos de danos.

Dessa forma, cinco pacientes (10,6%) apresentaram o que os autores chamaram de “fenótipo fibrótico”, caracterizado pelo espessamento do septo alveolar – estrutura onde ocorrem as trocas gasosas. Ou seja, nesses indivíduos, o tecido normal do pulmão lesionado pelo vírus foi substituído por tecido cicatricial (fibrose), o que dificultou a respiração.

Por outro lado, em outros dez pacientes (21,2%) classificados como “fenótipo trombótico”, o tecido pulmonar estava praticamente normal. Porém, foi possível notar sinais de coágulos (trombos) em pequenos vasos. Há ainda um terceiro grupo no qual foram incluídos 32 pacientes (68,1%) que apresentaram os dois fenótipos simultaneamente. A idade média dos pacientes incluídos no estudo foi de 67,8 anos, com proporção semelhante entre homens e mulheres com doenças preexistentes, sendo as mais comuns hipertensão (55%) e obesidade (36%).

Leia mais: Estudo descreve padrões de dano no pulmão de vítimas da COVID

Principais consequências da Covid

Dados de uma pesquisa feita pelo Hospital das Clínicas (HC) apontam que as sequelas da Covid atingem cerca de 70% dos pacientes um ano após a alta hospitalar. Entre os casos analisados, foram relatados episódios de fraqueza, fadiga e falta de ar, entre outros.

De acordo com Carlos Carvalho, pneumologista e diretor da UTI Respiratória do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), os vírus respiratórios costumam contaminar células localizadas nas vias respiratórias superiores — nariz, garganta e traqueia —, limitando os danos causados. No entanto, o coronavírus utiliza as vias respiratórias superiores como porta de entrada. Em seguida, atinge as vias respiratórias inferiores, onde está localizada a região dos alvéolos, permitindo o acesso e circulação do vírus na corrente sanguínea e podendo causar danos em diversos órgãos, como o pulmão.

Leia mais: Fisioterapia respiratória: afinal, o que é e quais são as indicações?

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde