Sabonete íntimo: saiba como usar e qual tipo escolher

Saúde
17 de Maio, 2022
Sabonete íntimo: saiba como usar e qual tipo escolher

A região íntima da mulher pode passar por uma série de situações: corrimento, presença de odores diferentes… São diversas as possibilidades, sendo necessário manter a higiene como uma das maneiras de ajudar a prevenir e as visitas ao ginecologista em dia para que estes incômodos não se tornem problemas de saúde e sejam tratados da forma correta. Entre alguns dos cuidados mais conhecidos, está o uso do sabonete íntimo.

Isso porque a limpeza suave da vulva é um aspecto primordial da higiene íntima feminina e da saúde vulvovaginal geral, ajudando a minimizar o risco de recorrência de vaginose bacteriana.

O sabonete íntimo, portanto, é um aliado da boa higienização, uma vez que é composto por ácido lático, com um pH ácido, que ajuda na manutenção do pH da região íntima.

Benefícios do sabonete íntimo​

O principal benefício oferecido pelo sabonete líquido íntimo é ajudar na manutenção do equilíbrio do pH vaginal. Isso, por sua vez, contribui para a diminuição do acúmulo de corrimento vaginal, evitando, consequentemente, o mau cheiro.

A ação benéfica, inclusive, já foi confirmada por um estudo¹ feito por pesquisadores de New Jersey, nos Estados Unidos, e publicado em 2017 na plataforma de periódicos científicos Sage Jourals.

Vale ressaltar, contudo, que o sabonete íntimo é recomendado apenas para uso da genitália externa e não é indicado para duchas vaginais. Além disso, ele também não é uma opção para tratar infecções ou inflamações genitais, como afirma a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Como e quando usar?

Segundo um estudo² conduzido por Denise Antonia Nunes Silva e José Luiz Mazzei da Costa, publicado na Revista Acadêmica Oswaldo Cruz em 2019, o sabonete íntimo pode ser usado mulheres de todas as idades, aparentemente saudáveis e que nunca apresentaram irritação ou alergia na região.

O produto pode ser adicionado à rotina de higiene da seguinte maneira:

  • Diariamente, sendo aplicado apenas uma vez ao dia;
  • Apenas na região externa, junto à água corrente, em movimentos circulares e sem fricção, atingindo todas as dobras;
  • Por no máximo três minutos em contato com a pele, para evitar o ressecamento na região.

Então, como escolher o sabonete íntimo ideal?

Para escolher o sabonete íntimo correto, é importante prestar atenção em sua composição, levando em consideração especialmente a acidez e alcalinidade dele.

De acordo com a Febrasgo, o ideal é apostar em um produto feito à base de ácido láctico – componente responsável pelo equilíbrio do pH vaginal e que também contribui para evitar maus odores e proporcionar sensação de bem-estar prolongada após seu uso.

Por fim, é indicado o uso de produtos hipoalergênicos e que proporcionam detergência suave. Dessa forma, é possível diminuir a chance de eventuais alergias e evitar a remoção excessiva da camada lipídica que protege a pele vulvar.

Aproveite descontos de até 25% no sabonete íntimo Dermacyd e em outros produtos selecionados no e-commerce da Droga Raia. Não perca!

 Maio/2022 – MAT-BR-2201831

Fontes:

Referências:

[¹] – Chen Y, Bruning E; Rubino J; Eder SE. Role of female intimate hygiene in vulvovaginal health: Global hygiene practices and product usage. Women’s Health. Dezembro, 2017.

[²] – Silva, Denise Antonia Nunes; Costa, José Luiz Mazzei da. A importância do sabonete íntimo feminino com foco na microbiota e nos estágios de vida da mulher

Leia também:

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas

pés de pessoas calçando botas andando no meio de uma enchente
Saúde

Dengue ou leptospirose? Como diferenciar os sintomas

Após cheias como as do Rio Grande do Sul, as duas doenças podem coexistir e infectar simultaneamente a população; orientação é procurar atendimento médico para o diagnóstico