Como fazer a prevenção da dengue em casa

6 de abril, 2022

Em 2022, os casos de dengue no Brasil aumentaram em 35,9%, de acordo com o Ministério da Saúde. Com todo o foco mundial voltado para o coronavírus nos últimos dois anos, muitas pessoas deixaram de realizar processos básicos em casa que afastam o mosquito Aedes aegypti. Contudo, seguir com medidas que promovem a prevenção da dengue é fundamental. 

Alex Galoro, patologista clínico e gestor do grupo Sabin Medicina Diagnóstica, conta que essa incidência de casos está associada a uma soma de fatores, sendo uma delas justamente a diminuição das ações de prevenção da dengue. “Também estamos em um período mais chuvoso e de calor intenso, um clima propício para a proliferação do mosquito, já que ele se multiplica em espaços úmidos e quentes. Temos observado, também, a migração de casos para novas regiões, com relatos da doença onde não tínhamos antes, como na região Sul do Brasil”, diz. 

Em períodos de calor intenso ou muita chuva, os focos de dengue tendem a aumentar. No geral, a doença pode acontecer em qualquer estação do ano, contudo, o verão é a principal temporada de epidemias de dengue. 

Leia também: Descarte de lixo: como separar e desprezar os resíduos corretamente

Como fazer a prevenção da dengue em casa

A dengue pode matar, mas a sua prevenção pode começar com tarefas simples em casa. Galoro conta que é preciso prestar muita atenção em recipientes úmidos, afinal, o Aedes aegypti costuma colocar seus ovos nestes locais. O médico indica manter uma rotina de cuidados dentro de casa. Para isso, observe com atenção os quintais, evitando o acúmulo de água em pneus, calhas, vasos, pratos de plantas, caixas d’água descobertas, entre outros.

“O mais importante é compreender que combater o Aedes aegypti é um dever de todos e que começa dentro de casa. Vale ressaltar, ainda, que se houver necessidade de armazenamento de líquidos, deve-se ter o cuidado de não deixar os reservatórios destampados, para evitar que o mosquito coloque ovos dentro deles”, afirma o especialista. 

Fui picado por um mosquito, e agora? 

O médico explica que mesmo que uma pessoa seja picada pelo Aedes aegypti, não necessariamente contrai o vírus da dengue. Essa picada pode não contaminar. Por via das dúvidas, se for picado ou perceber a presença do mosquito em casa, é preciso acabar com esse foco e utilizar repelentes ou inseticidas para erradicar.  E fique atento a sintomas como:

  • Febre;
  • Dor nos olhos;
  • Mal-estar.

Caso os sinais surjam, é necessário buscar orientação médica. E se a doença for confirmada, é preciso seguir as recomendações dos médicos. Galoro ressalta também que é muito importante não se automedicar, já que alguns medicamentos podem potencializar problemas de coagulação causados pela dengue — gerando, assim, chances de sangramentos, queda na pressão e até morte. 

É possível realizar testes para confirmar o diagnóstico do vírus, sendo alguns deles o PCR Combo, teste rápido para antígeno e anticorpos (NS1, anticorpos IgC e IgM) e também o PCR. 

“Notamos um aumento significativo na procura pelos exames neste primeiro trimestre. Nosso último levantamento demonstra também um aumento na positividade dos testes, com mais de 31% dos testes positivos para dengue. Esse crescimento nos faz redobrar a atenção e reforçar ações de orientação sobre os cuidados que impeçam a disseminação do mosquito”, completa. 

Fontes: Alex Galoro, patologista clínico e gestor do grupo Sabin Medicina Diagnóstica.

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.