Paracoccidioidomicose: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Saúde
05 de Setembro, 2022
Paracoccidioidomicose: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Existem diversas variações e tipos de micose, sendo a paracoccidioidomicose uma delas. Você sabe o que é a doença? De acordo com biomédica Alessandra Roggerio, professora do curso de Biomedicina da Estácio, se trata de uma micose sistêmica, restrita à América Latina. 

“Segundo informações do Ministério da Saúde, está entre as 10 causas de morte por doenças infecciosas e parasitárias crônicas e recorrentes no Brasil. É considerada a principal micose sistêmica no país e é encontrada em maior frequência nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste. A paracoccidioidomicose tem caráter endêmico entre as populações da zona rural, acometendo geralmente os indivíduos do sexo masculino, na faixa etária produtiva da vida (30-60 anos)”, explica a biomédica. 

Como contrair a paracoccidioidomicose?

A doença é contraída através da inalação do fungo dimórfico Paracoccidioides brasiliensis, como explica a especialista. Ele é presente no solo e se desenvolve em espaços argilosos e arenosos, ricos em matéria orgânica e com taxa de umidade elevada. 

Assim, a maioria das pessoas afetadas pratica ou já praticou atividades relacionadas com manejo de solo contaminado. Então, isso pode acontecer nas duas primeiras décadas da vida, épocas prováveis para a contaminação, conforme conta a biomédica.

O que a paracoccidioidomicose causa na saúde?

O fungo merece muita atenção. A infecção é sistêmica, portanto, acaba afetando diversos locais do corpo, por exemplo, os pulmões, boca, garganta, pele e gânglios linfáticos. No entanto, em situações mais severas, a bactéria também atinge o cérebro, intestinos, ossos ou rins. 

“A porta de entrada do fungo é através das vias respiratórias. Mas, após a inalação do fungo, ele chega às vias aéreas inferiores, com possível disseminação por via linfática e hematogênica para outros órgãos”, de acordo com Roggerio. 

Leia também: Alimentação em casos de Alzheimer: estudo indica dieta cetogênica

Sintomas

  • Lesões na pele; 
  • Febre;
  • Vômito.

“A paracoccidiodomicose se apresenta como uma doença predominantemente crônica granulomatosa, sendo esta a lesão resultante da reação de hipersensibilidade tardia contra antígenos do fungo o que impede a disseminação deste pelo organismo promovendo sua contenção por um período”, diz a especialista. 

A professora explica que o fungo permanece nesses locais, em meio a lesões fibróticas, em estado latente, porém viável. Assim, a infecção pode alcançar formas mais severas, se tornando crônica, aguda ou subaguda, por exemplo.  

Dessa forma, a fase aguda ou subaguda atinge pessoas com menos de 30 anos e é perceptível por adenomegalia de linfonodos superficiais, comprometimento abdominal ou do aparelho digestivo e comprometimento ósseo. 

“As formas clínicas mais importantes são a forma regressiva, que se caracteriza por doença benigna com manifestações clínicas discretas, em geral pulmonares, com quadro de regressão espontânea, independente de tratamento; e a forma progressiva crônica, no qual ocorre comprometimento de um ou mais órgãos, podendo evoluir para óbito, caso não seja instituído tratamento”, diz Roggerio. 

Tratamento

O tratamento é de longa duração. Portanto, é realizado com administração de antifúngicos como cetoconazol, fluconazol, itraconazol, voriconazol e anfotericina B. “Assim, o acompanhamento dos pacientes deve ser feito até atingir os critérios de cura”, pontua Roggerio.

Leia também: Criptosporidiose: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento

Paracoccidioidomicose pode matar?

Por fim, a biomédica explica que a falta de tratamento adequado pode conduzir o quadro ao óbito. “A infecção por Paracoccidioides brasiliensis é a oitava causa mais comum de morte entre as doenças infecto-parasitárias crônicas recorrentes no Brasil”, em conclusão.

Fonte: Alessandra Roggerio, professora do curso de Biomedicina da Estácio.

Referência: Ministério da Saúde. 

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite