Nutrição de precisão: como a ciência pretende criar dietas cada vez mais individualizadas

27 de julho, 2022

Você já ouviu falar na nutrição de precisão? O conceito, em teoria, trata da busca pela customização máxima de uma conduta nutricional. Ou seja, seria aquela dieta feita “sob medida” para o paciente, levando em conta diversos fatores, como sexo, idade, preferências alimentares, condições socioeconômicas, doenças existentes…

Mas, recentemente, o assunto foi destaque no encontro anual da Sociedade Norte-Americana de Nutrição (ASN, em inglês) justamente porque os cientistas pretendem ir além. Utilizando métodos como machine learning (aprendizado de máquina) e análises de DNA, os pesquisadores procuram individualizar ainda mais as dietas.

Leia também: Vitamina D e cálcio: entenda a relação

Nutrição de precisão no futuro

Uma das iniciativas apresentadas no evento que vão ao encontro da nutrição de precisão é o projeto All Of Us (todos nós, em tradução livre). O objetivo é montar um enorme banco de dados sobre mais de um milhão de estadunidenses. Quem quiser participar, precisa concordar em compartilhar informações médicas, ter 18 anos ou mais e fornecer amostras de sangue, urina e saliva para que sejam feitos exames laboratoriais e de DNA.

Desse modo, será possível conhecer a biologia dessas pessoas, bem como seus estilos de vida e ambientes onde vivem. Assim, quanto maior a diversidade do material, mais precisos serão os tratamentos formulados.

O próximo passo será, então, desenvolver algoritmos capazes de mapear padrões dietéticos e prever respostas individuais aos alimentos. “Vamos usar todos os tipos de biomarcadores e daremos sequência a um estudo de três fases sobre desafios alimentares e intervenções de precisão. Serão recomendações individualizadas para moderar ou otimizar esses biomarcadores”, afirmou Holly Nicastro, coordenadora do programa.

Leia também: Saiba identificar corantes artificiais nos rótulos dos alimentos

Exemplos

Um bom exemplo do futuro da nutrição de precisão foi divulgado em outro estudo recente, feito com seis mil adultos. Nele, os pesquisadores descobriram que existem genes ligados à percepção de sabor, e eles são determinantes para a escolha alimentar de uma pessoa.

Assim, se fosse possível prever essas características em um consultório, daria para indicar quais temperos e alimentos o paciente precisa combinar para evitar a rejeição, e, consequentemente, tornar o cardápio mais diversificado e nutritivo.

“Sabemos que o sabor é um dos fatores fundamentais do que escolhemos comer e, por extensão, da qualidade da nossa dieta”, disse Julie E. Gervis, uma das autoras do artigo. “Considerar a percepção do sabor pode ajudar a tornar a orientação nutricional personalizada mais eficaz, identificando os motivos das más escolhas alimentares e ajudando pessoas a minimizá-los”, finalizou.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.