Número mundial de espermatozoides pode estar em queda

Gravidez e maternidade Saúde
29 de Novembro, 2022
Número mundial de espermatozoides pode estar em queda

Recentemente, um estudo global constatou que o número de espermatozoides ao redor do mundo parece estar em queda. A conclusão ainda é alvo de debates entre especialistas e não resulta, necessariamente, em casos de infertilidade — mas levanta algumas questões. Entenda melhor:

Como funciona a contagem do número de espermatozoides ao redor do mundo?

Uma revisão sistemática feita pelos mesmos cientistas em 2017 já havia constatado a diminuição. Ela foi feita com homens da América do Norte, Europa e Oceania. Agora, a pesquisa atual, publicada na revista Human Reproduction, incluiu também informações da América Central e do Sul, da África e da Ásia, além de dados das outras regiões.

Ao todo, foram utilizados 223 levantamentos com mais de 57 mil amostras de sêmen. Eles foram divididos em dois grupos: estudos que selecionaram homens sem levar em conta seus status de fertilidade; e pesquisas feitas somente com indivíduos comprovadamente férteis.

De acordo com o médico Dr Matheus Roque, especialista em reprodução humana, a avaliação geralmente é feita por meio do espermograma, um exame que analisa a concentração (por ml) e o número total de espermatozoides no sêmen humano.

“Estudos desde a década de 70 vêm observando um declínio anual nessa concentração e na quantidade total de espermatozoides ejaculados, que tornou-se ainda mais importante a partir dos anos 2000. As pesquisas mostram uma queda anual de até 2,5% ao redor do mundo”, diz o especialista.

Desse modo, quando os cientistas investigaram os dois grupos de estudos, perceberam uma redução de cerca de 26 milhões de espermatozoides a cada ml de sêmen — e de 92 milhões na contagem total.

Contudo, quando consideraram apenas as primeiras pesquisas (que não levaram em conta o status de fertilidade), a queda observada foi de 52 milhões para cada ml na concentração. E quando consideraram somente os estudos com homens férteis, a diminuição foi menos expressiva, de apenas 5 milhões para cada ml.

Leia também: Embriões congelados há 30 anos nascem

O que esse resultado significa?

O Dr Matheus Roque afirma que os resultados ainda devem ser motivos de muitos outros estudos — e que, portanto, não é possível afirmar que o declínio signifique, necessariamente, uma infertilidade maior nos homens.

“Até porque, na média, os indivíduos ainda continuam com uma concentração boa de espermatozoides”, complementa.

Mesmo assim, ele enfatiza que 15 a 20% dos casais em idade reprodutiva apresentam infertilidade, e que em até metade dos casos, a questão está somente no homem ou nele em associação a algum fator feminino.

“Então, os dados da pesquisa são importantes, pois mostram essa diminuição significativa ao longo do tempo. Mas a repercussão exata que isso gera na fertilidade somente o tempo vai nos dizer, e mais estudos provavelmente irão trazer novas informações sobre a causa exata desse declínio.”

Leia também: Idade para congelamento de óvulos: qual o momento ideal?

Quais as possíveis causas para a diminuição do número de espermatozoides?

Esse é outro ponto que ainda merece muitas investigações, pois os autores não deram uma resposta exata que explique a queda. No entanto, o médico diz que as principais teorias estão relacionadas a questões envolvendo mudanças no estilo de vida. Por exemplo, aumento da obesidade e do sedentarismo e exposição a toxinas.

“Questiona-se também a vida intrauterina: o período que aquela mãe está gestando, a alimentação dessa mulher e todos os fatores aos quais ela se expõe. Como tudo isso poderia afetar não só a fertilidade masculina, mas a fertilidade feminina também.”

Leia também: Mãe de UTI: um relato delicado sobre prematuridade

Poréns

Outros especialistas que não participaram da revisão apontaram um gargalo na mesma. De acordo com eles, o levantamento compilou dados de estudos heterogêneos e que não tinham o objetivo de observar a concentração ou a contagem de espermatozoides.

Além disso, as tecnologias de contagem de espermatozoides evoluíram ao decorrer do tempo. É por isso que mais estudos acerca do tema deverão ser realizados daqui para frente.

Fonte: Dr Matheus Roque, médico especialista em reprodução humana e membro da ESHRE, da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva e também da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Transplante de rim
Saúde

Transplante de rim: órgão doado faz falta? Quem pode doar? Entenda

Indicado para pessoas com doença renal crônica, transplante do novo órgão permite que o corpo volte a filtrar e eliminar líquidos e toxinas

Endometriose e saúde mental
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Endometriose e saúde mental: como cuidar de si mesma?

Desconfortos podem causar uma série de desafios emocionais, por isso é importante cuidar da saúde mental

Que horas o mosquito da dengue mais pica
Saúde

Que horas o mosquito da dengue mais pica?

Veja quais são os principais horários e como se prevenir da doença