Mitos populares de saúde: especialista analisa manteiga em queimadura, linha na testa para soluço e mais  

22 de julho, 2022

Você com certeza já escutou alguns mitos populares de saúde como: colocar fita vermelha na testa do bebê para parar o soluço ou passar manteiga nas queimaduras para diminuir a dor. Mas, será que esses métodos realmente são verdadeiros? É muito comum, especialmente em casas com pessoas mais velhas, que as práticas sejam feitas. 

Para desvendar esses mitos, Ana Carolina Jardim Silva, médica geral do Pilar Hospital em Curitiba, que integra a Hospital Care, respondeu as falácias mais comuns e que fazem sucesso: 

Mitos populares de saúde: passar pasta de dente, manteiga ou o cabelo em queimaduras alivia a dor? 

MITO EM PARTES 

Ana Carolina: A queimadura se trata de uma agressão física, térmica ou química que expõe os receptores de dor presentes na pele, o contato deles com o ambiente piora a dor. Essas medidas citadas acima criam uma certa barreira, o que realmente pode aliviar a dor, mas não se trata do mais adequado.  

A recomendação é o resfriamento com água da torneira em temperatura ambiente ou fria por alguns minutos, até aliviar a dor, após prosseguir com limpeza com sabão neutro e curativo gaze úmida e, então, atadura. Enquanto não tiver disponível curativo adequado, pode usar toalhas úmidas que também proporcionam alívio da dor. Não é recomendado uso de gelo em contato com a lesão. Caso haja bolhas íntegras, não é indicado realizar a punção, pois aumenta o risco de infecção secundária.  

Assim, para queimadura solar de forma leve, a indicação é o uso de hidratante neutro (não perfumado), além de alimentação leve e hidratação via oral intensa. O controle adicional da dor pode ser feito com analgésicos simples. Essas são recomendações gerais para lesões leves, portanto, se for uma queimadura grave, acionar imediatamente o serviço de urgência e emergência de trauma do seu município, para atendimento adequado e encaminhamento ao Hospital referência na área de queimados.  

Encher a boca de água, tampar a respiração e beber em 3 goles pausadamente pode ajudar a curar o soluço? 

MITO POR ENQUANTO 

AC: A eficácia dessa manobra não foi comprovada cientificamente, então, por enquanto, segue como mito. Mas algumas outras manobras foram descritas em relatos de casos e estudos observacionais. Portanto, como se tratam de medidas simples e geralmente seguras, vale a pena tentar. As contraindicações seriam cirurgia recente em um órgão envolvido na manobra física ou doença cardíaca.  

Exemplo de medidas descritas na literatura médica:  

  • Prender a respiração por 5 a 10 segundos (ou conforme tolerado);
  • Realizando a manobra de Valsava, segurando por cinco segundos; 
  • Gargarejo com água muito fria;
  • Morder um limão;
  • Pressionar suavemente, mas firmemente, os globos oculares; 
  • Enquanto estiver sentado, puxando os joelhos até o peito (ou inclinando-se para a frente para comprimir o peito); mantenha a posição por 30 segundos a um minuto, se possível;
  • Beber água através de um tubo rígido com uma válvula que requer um esforço significativo de sucção (ou seja, uma ferramenta de sucção inspiratória forçada), seguido pela deglutição de água que ativa o nervo vago. Acredita-se que a ativação simultânea dos dois nervos seja o mecanismo responsável pelo término do soluço.  

Leia também: Dia do cérebro: entenda sobre o envelhecimento do cérebro

Mitos populares de saúde: colocar uma linha vermelha na testa do bebê acaba com o soluço?

MITO. Sem evidências científicas que comprovem benefício dessa medida

AC: Acredita-se que o soluço represente um arco reflexo composto por várias vias neurais, e se trata geralmente de uma alteração benigna sem tratamento específico. Não deve ser indicado nenhum medicamento ou investigação adicional, exceto se sinais de alarme: sintomas neurológicos, perda de peso não intencional, sintomas gastrointestinais, alterações em tórax e pulmonar. Mas, nas crianças, se trata geralmente de uma imaturidade do sistema nervoso central e, por consequência, dificuldade na coordenação da respiração e deglutição. Então, se persistente ou em caso de dúvidas consulte um pediatra.  

Mel com limão para curar tosse funciona?

SIM

AC: Por incrível que pareça não se trata de mais um mito. Existe evidência no alívio de sintomas como tosse e dor de garganta. A única contraindicação é o mel para crianças menores que 1 ano, devido ao risco de contaminação pela bactéria Clostridium botulinum, potencialmente levando ao botulismo infantil.  

Sair com o cabelo molhado na rua pode gerar gripe?  

MITO

AC: A gripe é uma doença respiratória aguda causada pelos vírus influenza A ou B que ocorre em surtos e epidemias em todo o mundo, principalmente durante a temporada de inverno, devido ao momento do ano onde os ambientes permanecem mais fechados.  

Mitos populares de saúde: lavar o cabelo à noite faz mal? 

MITO EM PARTES

AC: Se não for seco adequadamente, sim, aumenta a chance de dermatite seborréia e até mesmo mais queda de cabelos. Mas não causa gripe ou resfriado que são infecções virais.  

Leia também: Mitos e verdades sobre a intolerância à lactose

Colocar vinagre nos machucados ajuda a melhorar?   

MITO  

AC: A única indicação médica de utilizar vinagre em contato com a pele é em queimadura por água viva. Assim, aplicar por 30 segundos, seguida de remoção manual de tentáculos visíveis. Em outros casos não há benefício e pode causar lesão e irritabilidade.  

Casca de laranja pode ajudar a curar diarreia e vômito?  

MITO 

AC: Não foi estabelecido que os suplementos multivitamínicos e minerais fornecem benefícios adicionais a uma dieta equilibrada e saudável. Além disso, a Vitamina C aumenta a excreção urinária de oxalato e pode aumentar o risco de pedras nos rins. A única indicação é em desnutridos graves com deficiência de ácido ascórbico e, nesses casos, é feito intravenoso. Em casos de desidratação leve por vômitos e diarreia, deve-se usar os sais de reidratação oral.  

A mensagem final é que a orientação é o melhor remédio. Em caso de dúvidas passe por avaliação médica.   

Fonte: Ana Carolina Jardim Silva, médica geral do Pilar Hospital em Curitiba, que integra a Hospital Care.

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.