Mitos e verdades sobre a intolerância à lactose

22 de julho, 2022

A intolerância à lactose é um assunto que vem ganhando espaço entre nutricionistas, médicos e a população geral. O Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos estima que 75% da população global tenha algum grau do problema. Por outro lado, no Brasil, segundo o Instituto Datafolha, esse percentual é de, ao menos, 35%. Por isso, nada melhor do que buscar conhecer mais sobre o assunto e entender todos os mitos e verdades acerca da intolerância à lactose!

Leia também: Estudo brasileiro explica por que população negra é mais propensa à intolerância à lactose

O que é a intolerância à lactose?

Em poucas palavras, uma pessoa intolerante à lactose é aquela que não consegue digerir a lactose (o açúcar do leite). Isso acontece pela deficiência na produção corporal da enzima lactase, que é a responsável por quebrar a lactose nas suas menores partes – galactose e glicose – para que as substâncias sejam absorvidas no intestino.

Mas a boa notícia é que a oferta de produtos sem lactose está crescendo, o que permite que o paciente desfrute de vários benefícios:

  • Previnem o surgimento de sintomas gastrointestinais como gases, distensão abdominal, cólicas, diarreias, constipação;
  • São mais adocicados naturalmente (já que a galactose e glicose isoladas são mais doces do que a lactose intacta), ou seja, reduzem a necessidade de adicionar outros açúcares às preparações feitas com produtos sem lactose;
  • Diminuem a inflamação intestinal e sistêmica (no corpo todo), já que facilitam a digestão;
  • Por fim, criam um leque de possibilidades de consumo de laticínios por parte das pessoas que têm intolerância.

O cerne da questão é: os intolerantes devem priorizar o consumo de produtos sem lactose, independentemente do grau da intolerância, visto que a quantidade de lactose nos alimentos lácteos não é a mesma. Uma forma de descobrir isso é consumir pequenas porções de cada tipo de laticínios e observar como o seu corpo reage ao consumo de cada um deles.

Leia também: Intolerância à lactose? Como evitar deficiência de cálcio

Mitos e verdades sobre a intolerância à lactose

A lactose é uma proteína

Mito. Ela é a porção de carboidrato do açúcar do leite.

A lactose causa alergia

Mito. Existe uma diferença entre alergia e intolerância. A alergia alimentar é uma reação adversa imunológica gerada por alimentos específicos que podem causar manifestações intestinais, cutâneas (na pele), respiratórias e até sistêmicas, isto é, no corpo como um todo.

Normalmente, temos alergia alimentar à fração proteica dos alimentos como: leite, trigo, amendoim, peixes, crustáceos, soja, ovo, nozes, entre outros. 

Já as intolerâncias alimentares não são mediadas pelo sistema imunológico diretamente, ou seja, são reações adversas causadas por certos alimentos/nutrientes, tendo como principais sintomas os relacionados ao trato gastrointestinal.

Diferentemente das alergias, o que costuma causar uma intolerância alimentar é uma sensibilidade à fração de carboidrato do alimento, por exemplo, a lactose (que é o açúcar do leite). Em outras palavras, quem é alérgico ao leite de vaca tem alergia a alguma proteína desse alimento (como caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina), diferentemente de quem é intolerante, que tem intolerância à lactose.

Tenho intolerância à lactose, nunca mais poderei consumir laticínios

Mito. Hoje, existe uma gama de produtos sem lactose no mercado que podem ser inseridos de forma equilibrada na alimentação do dia a dia. Você não precisa necessariamente excluir esses alimentos da sua rotina.

Mitos e verdade sobre intolerância à lactose: são todas iguais

Mito. Existem três tipos de intolerância à lactose. O primeiro é a deficiência congênita da enzima, quando você já nasce sem a enzima. É um caso mais raro, e uma deficiência genética.

O segundo tipo é a diminuição enzimática secundária a doenças intestinais (quando você tem uma redução na produção da enzima devido a alguma doença que cause uma lesão no seu intestino). E, por fim, a deficiência primária, o tipo mais comum, que é a redução da produção da enzima lactase com o avançar da idade.

Leia também: O que acontece se você não respeitar a sua intolerância à lactose?

Fonte: Liz Galvão, nutricionista parceira da Verde Campo.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.