Lipoma: o que é, sintomas, causas e tratamento

3 de fevereiro, 2022

Ouvir de um médico que apareceu um neoplasia na pele pode assustar no primeiro momento. Porém, se for um lipoma benigno, o paciente pode ficar despreocupado. A condição é caracterizada como um neoplasia, ou seja, quando ocorre o surgimento e crescimento anormal do tecido da pele, mediante proliferação celular. 

Esse tumor, como também é conhecido, é benigno, mas pode incomodar pelo formato, tamanho e comprometer a estética. Por isso, saiba mais sobre ele a seguir.

Leia mais:  Câncer de pele: Como diferenciar uma pinta de uma lesão grave

O que é lipoma?

A Dra. Nabila Scabine Pessoti, dermatologista, explica que o lipoma é um tumor benigno de células de gordura. Esse tipo de tumor pode aparecer na cabeça, tronco, pescoço, entre outros membros do nosso corpo.

Visualmente, a condição se assemelha a uma bolinha, formada por células de gordura. Também é possível sentir o formato desse tumor ao apalpar o corpo e perceber um relevo arredondado, como uma espécie de caroço embaixo da pele. 

Normalmente, esses caroços na pele possuem até 3 centímetros, mas existem alguns lipomas que são maiores e podem causar um incômodo à qualidade de vida do paciente, requerendo tratamento.

Sintomas do lipoma

A dermatologista explica que o lipoma é composto por massas de crescimento lento. Dessa forma, não causa sintomas de dor ou comprometimento funcional. Segundo a especialista, esse tipo de tumor benigno não é perigoso, por isso não é preciso se preocupar. No entanto, se o paciente sentir dor na região, então é necessário procurar avaliação médica para programar a retirada com cirurgia.

O ideal é sempre contar ao médico sobre o aparecimento de caroços na pele para evitar problemas maiores. Afinal, somente uma avaliação médica é capaz de distinguir um lipoma de um tumor maligno. No primeiro caso, ele possui um relevo arredondado por baixo da pele, costuma ter um crescimento lento e apresenta em média 1 a 3 cm, mas alguns podem chegar até mais de 10 cm de diâmetro. Embora seja comum indolor, alguns podem doer.

Já os tumores malignos podem surgir como uma massa endurecida, pouco móvel, dolorosa à palpação e com bordas irregulares. O ritmo de crescimento é mais rápido. Sendo assim, procure um médico para avaliar o surgimento de caroços ou bolinhas em qualquer local do corpo. 

Quais são as causas?

As causas do lipoma são ainda pouco esclarecidas pela medicina. Nesse sentido, existem algumas especulações, como traumas sofridos na região (lipoma pós-traumático), genética e histórico familiar (comum a condição acometer pessoas da mesma família), por exemplo.

“Não se conhecem exatamente as causas do lipoma, mas componentes genéticos estão envolvidos em seu desenvolvimento. Há algumas síndromes genéticas raras que estão envolvidas com a presença de múltiplos lipomas”, informa a dermatologista.

A Dra. Nabila Scabine Pessoti acrescenta que a condição é mais comum em pessoas com 40 a 60 anos e é muito rara em crianças. Dessa forma, como não há comprovações sobre as causas dos lipomas, há mais dificuldade médica para desenvolver medidas preventivas para controle da doença.

Quais os tipos de lipomas?

Existem alguns tipos de lipomas, que estão relacionados com a sua localização, segundo a dermatologista. “Um lipoma na cabeça, por exemplo, é um tumor de células de gordura do couro cabeludo”, exemplifica. 

Veja outros tipos de lipomas: 

  • Abdominal: localizado na região do abdômen.
  • Epidural: quando surge na coluna vertebral.
  • Mediastinal: surge na região do coração e parte das vias respiratórias.
  • Pancreática: afeta o pâncreas.
  • Renal: aparece nos rins.
  • Difusa: quando surge em todo o corpo e provoca uma aparência semelhante à obesidade.

Um lipoma pode desaparecer?

“Um lipoma pode desaparecer sozinho ou continuar crescendo até a remoção cirúrgica”, conta a Dra. Nabila Scabine Pessoti. Geralmente, lipomas pequenos podem desaparecer espontaneamente ou permanecerem “quietos”, ou seja, inalterados durante anos.

Porém, se o tumor benigno for doloroso ou causar algum incômodo, a melhor recomendação é a procura de um médico para realizar um procedimento cirúrgico para remoção.É comum o receio das pessoas que passam pela cirurgia de remoção de um lipoma se preocuparem que o tumor apareça novamente. 

Geralmente, o lipoma removido com cirurgia não volta novamente. Porém, podem aparecer outros lipomas no corpo, inclusive no local em que um já foi retirado. 

Quando o lipoma dói, o que fazer?

A recomendação da dermatologista quando o lipoma dói é procurar avaliação médica para programar a cirurgia de retirada. Porém, precisamos lembrar que, de maneira geral, os lipomas não causam nenhuma dor. Mas pode acontecer da região onde está localizado o lipoma causar dor, quando um nervo é pressionado pelo crescimento do tumor, por exemplo.

Além disso, a dor pode ser aliviada momentaneamente com analgésicos até a retirada do tumor, segundo a dermatologista. Em casos de lipoma inflamado, a especialista recomenda a procura por uma avaliação médica para início do uso de antibióticos.

Quais os tratamentos para o lipoma?

“Na maioria das vezes, não é necessário tratamento, pois o acompanhamento é clínico”, explica a especialista.

No entanto, a Dra. Nabila Scabine explica que as indicações para a remoção de um lipoma incluem preocupações cosméticas, quando causam alterações nervosas, dor e consequentes limitações funcionais.

Como é feita a retirada de lipoma?

“A retirada de lipoma é feita por cirurgia com anestesia local. A depender do tamanho do lipoma, o procedimento pode ser feito no consultório”, esclarece a médica. Normalmente, é feito um corte simples para a remoção do lipoma. Há também outra opção para retirar o tumor através de uma lipo sucção, caso o lipoma seja macio e tenha tecido conectivo pequeno.

O método realizado pela lipo sucção pode deixar a cicatriz menor que a cirurgia comum com corte simples, porém há uma tendência maior a não remover o lipoma inteiramente. A recuperação da cirurgia de remoção do lipoma é tranquila, entre 7 e 15 dias para cicatrização local, mas tudo depende da exata localização e do tamanho da lesão. Em toda cirurgia existem riscos, mas no caso desse tipo de procedimento cirúrgico para remoção do lipoma eles são mínimos.

Leia mais: Cânceres evitáveis: quais são os principais e como se prevenir

Fonte: Dra. Nabila Scabine Pessoti, dermatologista credenciada da Academia da Pele.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.