Adeptos do jejum intermitente têm menor risco de complicações da Covid

20 de julho, 2022

Um estudo recente apontou que pessoas que praticam o jejum intermitente regularmente e há anos têm uma menor chance de sofrer com as complicações da Covid-19. A pesquisa foi publicada na revista científica BMJ Nutrition, Prevention & Health, e feita por pesquisadores da Intermountain Healthcare — sistema de saúde sem fins lucrativos nos EUA.

A descoberta é inédita, apesar de já existirem investigações acerca dos benefícios da estratégia alimentar para a redução no risco de desenvolvimento de condições como diabetes e problemas cardíacos. Agora, mais estudos são necessários para entender por que isso acontece.

Jejum intermitente e Covid-19: como funcionou o estudo

Os cientistas selecionaram e analisaram dados de 206 pessoas inscritas no INSPIRE, um registro de saúde voluntário da Intermountain Healthcare. Todas elas haviam testado positivo para a doença entre março de 2020 e fevereiro de 2021. Ou seja, antes das vacinas estarem amplamente disponíveis para a população.

Entre os participantes, 73 afirmaram praticar o jejum intermitente pelo menos uma vez por mês por uma média de 40 anos. Isso porque a maioria dos pacientes voluntários pertencia à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Lá, uma das tradições é jejuar no primeiro domingo do mês, ficando sem comida ou bebida por pelo menos duas refeições consecutivas.

Como resultado, os especialistas perceberam que aqueles que adotavam a prática alimentar tiveram menores taxas de hospitalização e morte por Sars-CoV-2. Por outro lado, eles não notaram ligações entre o jejum e o risco de contrair a doença.

Leia também: Envelhecimento saudável: Bons hábitos influenciam mais do que genética

Mas por que isso acontece?

O artigo não conseguiu concluir como o jejum intermitente consegue ajudar o corpo a combater a doença, e mais estudos precisam ser feitos. Contudo, os autores levantaram algumas hipóteses.

Já se sabe, por exemplo, que o jejum intermitente é capaz de reduzir o nível de inflamação do organismo — condição que foi associada a uma piora nos quadros de Covid.

Além disso, depois de aproximadamente 14 horas sem comer, o corpo deixaria de usar a glicose (açúcar) como fonte de energia, e passaria a consumir cetonas (incluindo o ácido linoleico). Esse fator teoricamente deixaria o vírus menos capaz de se ligar a outras células.

Por fim, outra possível explicação estaria no processo de autofagia estimulado pelo jejum, no qual células danificadas e infectadas seriam destruídas e “recicladas”.

Mesmo assim, os pesquisadores não deixaram de alertar: as descobertas foram vistas em pessoas que praticam a estratégia alimentar há décadas, e quem se interessar por ela deve adotá-la apenas após o aval médico. Ademais, é sempre bom lembrar que o jejum não substitui a vacinação!

Referência: Association of periodic fasting with lower severity of COVID-19 outcomes in the SARS-CoV-2 prevaccine era: an observational cohort from the INSPIRE registry.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.