Importância da vacina para Covid: 63 mil idosos foram salvos em 2021

Saúde
21 de Novembro, 2022
Importância da vacina para Covid: 63 mil idosos foram salvos em 2021

A nova alta de casos de Covid-19 está preocupando especialistas e o sistema de saúde. O motivo para o aumento das ocorrências pode estar relacionado às novas subvariantes da BQ.1, da Ômicron. São mutações do vírus mais resistentes à resposta imunológica, o que eleva o risco de transmissão. Dessa forma, a importância da vacina contra o Covid-19 permanece para minimizar as chances de se infectar e passar a doença adiante.

Veja também: Afinal, exercício pode causar AVC, como ocorreu com árbitro francês?

Qual a importância da vacina no cenário da pandemia?

A vacinação é uma prática essencial em qualquer contexto, pois previne o retorno de doenças já erradicadas. Quanto mais pessoas se vacinam — de crianças a idosos — melhor se torna a imunidade coletiva.

Ou seja, o alto índice de proteção de uma comunidade dificulta a disseminação de enfermidades. Tal mecanismo se aplica ao Covid-19 e diversos estudos comprovam e reforçam o papel da vacinação nesse sentido.

Uma avaliação recente da Fiocruz em parceria com a UNESP, Unicamp, USP, UFABC e Observatório COVID-19 BR reiterou a importância da vacina contra o Covid-19. Disponível no The Lancet Regional Health, a pesquisa mostra que a imunização salvou de 54 a 63 mil idosos e evitou até 178 mil internações decorrentes da enfermidade.

Critérios da pesquisa

O alvo do levantamento foram pessoas idosas com 60 anos ou mais. Para investigar a eficácia da vacina nessa faixa etária, os cientistas estudaram os meses de janeiro a agosto de 2021, período inicial da vacinação no Brasil. Além disso, observaram os indivíduos que completaram o esquema vacinal.

Logo depois, fizeram um comparativo entre a população que foi hospitalizada ou morreu sem receber o imunizante com o grupo dos idosos vacinados. Como resultado, notaram o trabalho da vacina em prevenir complicações e óbitos.

Outro achado foi o impacto financeiro. Com a aderência da vacinação nessa faixa etária, os pesquisadores estimaram que o país economizou entre US$ 1,9 bilhão a US$2,1 bilhões com internações e cuidados.

Por fim, o artigo científico sugere que se houvesse antecipação e mais rigor no calendário vacinal, mais pessoas teriam sobrevivido. No Brasil, o programa de imunização contra a Covid começou em janeiro de 2021, sob um esquema gradual de aplicação: 250 mil doses por dia entre fevereiro e março. Já o pico da imunização aconteceu em junho, com 1 milhão de doses por dia.

Quantas outras vidas teriam sido salvas?

Contudo, se houvesse mais agilidade e intensidade no calendário de imunização, os pesquisadores creem que o número de idosos mortos seria reduzido em até 50% em comparação ao pico de mortes pela doença. De acordo com o estudo, isso representa 47 mil pessoas que poderiam estar vivas.

Por esse e outros motivos, é fundamental manter as vacinas em dia. Principalmente os grupos de risco, que envolvem crianças, idosos, pessoas imunossuprimidas ou com comorbidades. Para atualizar as doses, basta se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) com carteira de identidade e último comprovante de vacinação contra a Covid-19, caso tenha.

Além de se vacinar, o uso de máscaras voltou a ser recomendado em locais fechados e com aglomeração. A higiene frequente das mãos com álcool em gel permanece aliada da prevenção.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

foto de folhas de citronela em uma bandeja de bambu
Bem-estar Casa Saúde

Planta citronela espanta mosquito da dengue?

A planta possui um óleo essencial desagradável para alguns insetos. Contudo, a citronela não deve ser a única estratégia para espantar o mosquito da dengue

Cinco habitos
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Cinco hábitos indispensáveis para a saúde

Para iniciar uma mudança de comportamento, confira cinco atitudes simples para incorporar no dia a dia que trazem benefícios no futuro

Dengue e Covid
Saúde

Dengue e Covid-19: como diferenciar os sintomas?

Em meio a uma explosão de casos de dengue e o aumento de infecções por covid-19 no Brasil, sintomas geram muitas dúvidas. Veja diferenças