Hemograma completo: para que serve e como o exame é feito

Saúde
04 de Março, 2022
Hemograma completo: para que serve e como o exame é feito

Se você foi ao médico e ele pediu um hemograma completo, saiba que a solicitação é mais do que comum. Fundamental em qualquer check-up, o famoso exame de sangue avalia a saúde de uma maneira geral e pode detectar uma série de distúrbios a partir da contagem e análise das células sanguíneas. A seguir, saiba mais sobre ele.

Para que serve o hemograma completo?

O nosso sangue é composto por glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, hemoglobina e plaquetas. E cada um deles possui uma função muito importante no nosso organismo: os glóbulos vermelhos, também chamados de eritrócitos, transportam oxigênio para todo o corpo por meio da hemoglobina; já os brancos (leucócitos) combatem infecções; e as plaquetas ajudam na coagulação sanguínea.

Esse contexto todo é importante para entender a importância do hemograma completo, exame que quantifica cada uma dessas células no sangue. Assim, sabendo se os níveis estão baixos, normais ou aumentados, o médico consegue uma primeira avaliação do seu estado de saúde – e o que fugir do controle é o primeiro alerta para uma investigação mais detalhada.

Assim, quadros como anemia e leucemia podem ser detectados por meio do hemograma completo. Se o paciente relata sintomas de fraqueza constante, por exemplo, o médico pode solicitar o exame para verificar se existe anemia, que nada mais é do que uma deficiência nos níveis de hemoglobina.

Como o exame é feito

O paciente deve ir a um laboratório para realizar o hemograma completo. Lá, o enfermeiro irá retirar uma amostra de sangue por meio de uma agulha. Assim, para facilitar esse processo, um elástico (garrote) costuma ser preso em volta do braço, o que ajuda o profissional a visualizar a veia. Antes da “picada”, a pele também será esterilizada com álcool.

Quanto à rotina pré e pós exame, no caso do hemograma completo não há restrições. Mas se a amostra for usada para exames adicionais, podem ser necessários alguns cuidados, e caberá ao médico a devida orientação. Já depois, algumas práticas ajudam a aliviar o hematoma que pode ficar na região da coleta, mas é possível voltar às atividades rotineiras normalmente.

A amostra de sangue do paciente será analisada em laboratório, que irá medir as quantidades, tamanho e formato das células sanguíneas. Se houver anormalidades, o exame pode passar pela revisão de um microscopista.

Por fim, vale destacar que o hemograma completo normalmente não é um teste diagnóstico definitivo. Em caso de resultados fora da faixa normal, o médico pode solicitar exames adicionais ou encaminhar o paciente para outro especialista. 

Fonte: Fernanda C.A. Campos Oliveira, assessora médica da Produção do Grupo Pardini

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas