Grounding: Pisar descalço na terra vira terapia

13 de dezembro, 2019

Qual foi a última vez que você pisou descalço na terra ou na grama? A prática, muito comum na infância, agora é considerada terapêutica, e promete dar uma guinada na saúde mental e emocional. 

O grounding (ou aterramento, em português) é uma técnica que envolve realizar atividades que reconectam à terra. Do ponto de vista científico, o segredo por trás do grounding é que, ao nos conectarmos com a Terra, que tem carga elétrica negativa, o corpo seria capaz de absorver elétrons de sua superfície que teriam efeito antioxidante no corpo, que tende a desenvolver uma carga positiva devido ao estilo de vida moderno. Com isso, cargas elétricas positivas e negativas se atraem e se neutralizam. Assim, é isso que acontece com o corpo, que voltaria ao estado “neutro” ao ter esse contato com a Terra.

Dessa maneira, o grounding é usado para tratar inflamação, doenças cardiovasculares, danos musculares, dor crônica e humor. 

Leia também: Terapia das pedras e cristais

O que diz a ciência

Em um estudo da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, 10 participantes saudáveis ​​pisaram na terra. Então, medições de sangue foram realizadas antes e depois do aterramento para determinar alterações na fluidez dos glóbulos vermelhos, que desempenham um papel na saúde do coração. 

Dessa maneira, os resultados indicaram uma quantidade significativamente menor de células vermelhas no sangue após o grounding, o que sugere benefícios para a saúde cardiovascular.

Já uma pesquisa da Universidade de Irvine, também nos Estados Unidos, examinou o papel do grounding nos danos musculares pós-exercício. Assim, os pesquisadores usaram tapetes de aterramento e mediram a creatina quinase, a contagem de glóbulos brancos e os níveis de dor antes e depois do aterramento.

Com isso, o exame de sangue indicou que o aterramento reduziu os danos musculares e a dor nos participantes. Por isso, foi sugerido que a técnica pode influenciar as habilidades de cura.

Da mesma forma, uma análise do Departamento de Medicina de Família e Saúde Pública da Universidade da Califórnia, reuniu 16 massoterapeutas que alternaram entre períodos de aterramento e sem aterramento.

Antes da terapia de grounding, o estresse físico, emocional e a dor eram efeitos colaterais comuns de seus trabalhos fisicamente exigentes. Após a terapia, dor, estresse, depressão e fadiga foram reduzidas entre os participantes.

Tipos de grounding

Andar descalço

Você já esteve em um dia quente de verão e sentiu vontade de correr descalço na grama? Essa é uma das maneiras mais fáceis de praticar a terapia. Seja na grama, areia ou até lama, permitir que a pele toque o solo natural pode fornecer energia de aterramento.

Deitar no chão

É possível aumentar o contato da pele com a terra deitado no chão, em lugares como a grama de um parque ou a areia da praia.

Mergulhar

De acordo com os defensores do aterramento, a água pode ser usada para aterrar da mesma maneira que a terra física. Eles sugerem simplesmente mergulhar em um lago ou nadar no oceano como uma maneira de se conectar. 

Leia também: Como colocar a meditação na rotina

Benefícios do grounding

Não há muita pesquisa sobre os benefícios do aterramento. No entanto, praticantes relataram melhorias para condições como:

  • Fadiga crônica;
  • Dores;
  • Distúrbios do sono;
  • Doença cardiovascular.

Leia também: Detox digital: O que é e quais são os benefícios

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.