Éris: saiba mais sobre a nova variante da Covid-19

Saúde
15 de Agosto, 2023
Éris: saiba mais sobre a nova variante da Covid-19

Uma nova cepa da Covid-19 tem dado o que falar nos EUA e no Reino Unido. A EG.5, mais conhecida como Éris, representa 17,5% dos casos do país estadunidense nas duas últimas semanas. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a prevalência da variante mais do que dobrou com relação ao mês anterior.

No Reino Unido, as confirmações da Éris também cresceram. Até o dia 20 de julho, ela já compreendia cerca de 14,55% dos casos, sendo a variante que mais apresentou aumento no país (46,65%). Os dados são do relatório da UK Health Security Agency.

Leia também: Jovem brasileiro integrou estudo que levou à aprovação de tratamento contra a epidermólise bolhosa nos EUA

Mas será que também devemos nos preocupar por aqui? Saiba mais:

Éris, a nova subvariante da ômicron

A Éris é uma subvariante da ômicron. E tanto especialistas quanto órgãos de saúde afirmam que não há motivo para alarde. Afinal, os levantamentos apontam que ela dificilmente causará um novo surto da doença e não há indícios de que seus sintomas e efeitos sejam mais graves do que aqueles provocados pelas variantes já existentes.

“Podemos dizer que os sintomas da Éris são muito parecidos com os vistos nos casos anteriores de Covid. Entre eles, nós podemos citar coriza, espirros e tosse seca e contínua, episódios de febre e também a dor de garganta”, explica Michelle Andreata, médica pneumologista da Saúde no Lar.

Por exemplo, há indícios de que a Éris tenha uma mutação no gene spike que a torna capaz de se “esquivar” do sistema imunológico com um pouco mais de facilidade. No entanto, ela também tem uma menor “afinidade” de ligação com as nossas células, o que também diminui as chances de infecção. Mais estudos a respeito do assunto ainda precisam ser feitos.

A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a Éris como uma variante de monitoramento, classificação anterior à categoria “variante de interesse”. Ela foi observada pela primeira vez no começo de 2023 e já atingiu 51 países. No entanto, a OMS afirma que o risco para a saúde pública é baixo, sem evidências de quadros mais graves.

A vacinação continua sendo a melhor forma de prevenção contra novas ondas de Covid-19 pelo mundo. Por isso, não deixe de conferir se você está com as suas doses em dia! “Crianças, idosos e imunossuprimidos devem dar preferência ao uso de máscaras em locais de grande aglomeração ou com pouca circulação de ar. Além disso, aqueles que apresentam alguns dos sintomas acima devem realizar teste rápido para saber se estão ou não infectados com o vírus. Assim, é possível se isolar durante os primeiros cinco dias, fazer uso da proteção adequada (higienização das mãos e uso de máscara) e evitar que outras pessoas sejam contaminadas também”, finaliza a médica.

Fonte: Michelle Andreata, médica pneumologista da Saúde no Lar.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas