Engasgar com a saliva: por que ocorre e quando pode ser sinal de doença

22 de julho, 2022

Vez ou outra, é comum se engasgar com a saliva ou com outro tipo de líquido ou alimento. No entanto, quando isso acontece com muita frequência, é preciso ficar atento, pois pode ser um alerta de que algo não vai bem. A seguir, saiba por que nos engasgamos com a saliva, quando a situação é normal e quais os prováveis problemas de saúde.

Veja também: Embolia pulmonar: o que é, causas e tratamento

Por que nos engasgamos com a saliva?

Antes de mais nada, saiba que esse tipo de acidente ocorre de vez em quando. De acordo com Rogério Alves, gastroenterologista e hepatologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo explica que o engasgo é resultado do relaxamento dos músculos responsáveis pela deglutição. Principalmente se a pessoa estiver deitada ou comendo um pedaço de alimento maior do que o espaço da garganta. Outro exemplo é se engasgar ao comer um alimento que se esfarela facilmente (paçoca, farofa…) ou peixes com espinhas. Quanto às causas, pessoas idosas costumam se engasgar com a saliva mais frequentemente, devido ao envelhecimento e flacidez natural da musculatura. Contudo, não há uma regra para ser pego de surpresa.

Quando o engasgo pode ser perigoso?

A falta de coordenação dos músculos que nos ajudam a engolir provoca o mecanismo inesperado, e alguns casos podem ser graves. Quando a epiglote fica aberta por mais tempo, a saliva (ou outro componente) faz o “caminho errado” para a traqueia e para os pulmões. “Como consequência, a pessoa pode contrair uma broncopneumonia aspiratória, uma condição que pode ser fatal”, avisa o médico.

A broncoaspiração, principalmente em crianças ou em enfermos, pode causar a morte súbita. Afinal, o pedaço de alimento pode ficar preso na traqueia e sufocar a pessoa. Assim, a melhor forma de socorrer alguém nesse tipo de apuro é executar a manobra de Heimlich, em que uma outra pessoa pressiona o abdômen da vítima até ela cuspir o agente responsável pelo engasgo. Em casos mais brandos, como o próprio engasgo da saliva, basta tossir repetidamente até que o líquido se mova das vias aéreas e siga o curso correto.

Se engasgar com a saliva é sinal de doença?

Segundo Alves, o incômodo persistente pode ser um sintoma de algumas condições de saúde. “É comum se engasgar bastante quando existe uma doença do esôfago, do trato digestivo ou de ordem neurológica. Todas elas impactam no funcionamento adequado da musculatura, e tornam-se um risco não só pela enfermidade em si, mas pelo risco da broncopneumonia de aspiração”, explica.

Essa dificuldade recorrente para engolir, chamada disfagia, pode ser causada por:

  • Refluxo gastroesofágico.
  • Câncer de garganta.
  • Traumas ou doenças que afetam o sistema neurológico: AVC, Alzheimer e esclerose múltipla, por exemplo.
  • Alterações congênitas na anatomia.

Para descobrir a origem dos engasgos repetitivos, o especialista recomenda buscar atendimento médico para analisar os sintomas e solicitar os devidos exames. “Para o diagnóstico inicial, normalmente pedimos o raio-X com contraste do estômago e do esôfago, aliado à manometria esofágica. Com ambos, é possível observar o funcionamento da musculatura de deglutição”, afirma. No entanto, a conduta médica irá depender da condição para o tratamento mais adequado.

De acordo com o quadro, o médico poderá pedir outros tipos de exame ou encaminhar o paciente para outra especialidade — para um neurologista, por exemplo, se o problema estiver relacionado ao sistema nervoso. Se houver um risco à vida da pessoa, alguns casos podem exigir a forma de alimentação intravenosa para minimizar a probabilidade de engasgos. Mas, novamente, a assistência médica deve prevalecer.

Fonte: Rogério Alves, gastroenterologista e hepatologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.