Broncoaspiração: o que é, sintomas, riscos e como evitar

18 de julho, 2022

Percebeu que está com pneumonia de repetição, engasgamentos ou tosses depois das refeições? Então, a broncoaspiração pode ser a responsável por esses sintomas. Afinal, você sabe o que é a condição? 

De acordo com Enio Studart, pneumologista e infectologista, especialista em doenças respiratórias e distúrbios do sono, é quando tentamos deglutir alguma coisa ou objeto colocado na boca, que encontra um caminho errado, entrando nas vias aéreas ou no pulmão. 

Além disso, esse desvio também pode acontecer quando algum material que está no estômago passa pelo refluxo e entra pelas vias aéreas. “Pessoas que tem dificuldade para deglutir estão mais propensas a broncoaspiração”, afirma o pneumologista. 

Sintomas 

  • Tosse durante a alimentação ou ingestão de bebida; 
  • Sentimento de ter algo agarrado na garganta; 
  • Confusão;
  • Ansiedade;
  • Fadiga;
  • Sufocamento;
  • Desconforto torácico;
  • Febre; 
  • Pneumonia frequente;
  • Perda de consciência durante a alimentação. 

Leia também: Cisto na tireoide: o que é, sintomas e tratamento

“Os sintomas em crianças são: dificuldade na sucção de leite materno, ruborização, infecções pulmonares frequentes, sintomas de chiado no peito e febre”, diz o especialista.

Diagnóstico da broncoaspiração 

No geral, o diagnóstico é clínico. Sendo assim, o pneumologista Enio Studart explica que é examinado os sinais e sintomas.  Alguns exames podem ajudar no diagnóstico, por exemplo:

  • Raio x de tórax; 
  • Broncoscopia;
  • Exame de contraste do esôfago;
  • Manometria da faringe.

Grupos de risco

Geralmente, os mais acometidos são idosos com dificuldade de deglutição, pacientes que perdem a consciência, quem já teve AVC ou quem sofre com epilepsia, intoxicação por drogas ou álcool e doenças neurodegenerativas.

“Em crianças, os pacientes comuns são quem brinca com pequenos objetos na boca, fendapaletina, problemas neurológicos e doença muscular espinhal atrófica”, afirma Studart. 

Complicações da broncoaspiração

Caso a condição aconteça em bebês e recém-nascidos, pode, assim, haver o risco de morte súbita. Além disso, há a possibilidade de gerar tosse crônica, pneumonias, febre e também a morte súbita em adultos. 

Leia também: Espasmos musculares: o que são quais são as causas

Afinal, há riscos de broncoaspiração de repetição? 

“Normalmente, a broncoaspiração se repete nesses (grupos de risco) pacientes ao longo do tempo. Um sinal catastrófico de aspiração aguda é quando pessoas estão se alimentando de um pedaço de carne e broncoaspiram num restaurante, por exemplo, e essa carne fica presa na traqueia, confundindo as pessoas ao redor como se tivesse assistindo a um ataque cardíaco”, diz o pneumologista. 

Ele afirma ainda que, por isso, é importante se ater à essa possibilidade. Aqui, fazer a manobra de Heimlich, que consiste no aperto forte no abdômen, causando uma tosse vigorosa a fim de eliminar o corpo estranho da traqueia, é uma forma de ajuda para a broncoaspiração. 

Tratamento da broncoaspiração

O tratamento é feito por meio da broncoscopia para a retirada do corpo estranho da região. Assim, o médico pneumologista explica que, em casos onde não há a possibilidade de se evitar a broncoaspiração, é necessário fazer uma fundoplicatura (cirurgia realizada para tratar o refluxo e hérnia de hiato) nos casos de refluxo grave. 

Então, o uso de medicamentos inibidores da bomba de prótons também pode ser recomendado. Por fim, em raros casos, a gastrostomia (abertura no estômago para fixar sonda alimentar) é a solução. 

Qual profissional procurar?

“É importante procurar emergência imediata em caso de sufocamento ou procurar pneumologista em casos crônicos”, conta o pneumologista. 

Cuidados

Enio Studart ressalta que após o diagnóstico, deve-se evitar o uso de laxante por óleo mineral em idosos. Além disso, apenas ingerir essa substância quando estiver atento e relaxado. Outras recomendações do especialista: 

  • Fazer pequenas refeições; 
  • Cortar a comida em pequenos pedaços; 
  • Mastigar bastante os alimentos; 
  • Evitar falar enquanto estiver comendo e bebendo; 
  • Não fumar; 
  • Procurar um profissional dentista para possíveis tratamentos dentários. 

Prevenção da broncoaspiração

  • Evitar e aconselhar crianças a não inserirem pequenos objetos na boca;
  • Grupos de risco devem manter sempre elevada, especialmente durante a alimentação; 
  • Não ingerir líquidos ou medicamentos enquanto estiver deitado; 
  • Comer em ritmo lento; 
  • Em caso de prótese dentária, se certificar de que a mesma está firme e adaptada;
  • Por fim, evitar distrações na hora de se alimentar. 

Fonte: Enio Studart, pneumologista e infectologista, especialista em doenças respiratórias e distúrbios do sono.

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.