Disfunção erétil: obesidade é principal fator de risco

Saúde
20 de Setembro, 2022
Disfunção erétil: obesidade é principal fator de risco

De acordo com pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 83% dos homens entre 50 e 70 anos não consideram a obesidade um fator de risco para a disfunção erétil. 

A pesquisa que ouviu mais de 2.000 homens em mais de sete capitais do país aponta que, na opinião dos entrevistados, a redução de testosterona acontece por causa do estresse, excesso de trabalho e mudanças hormonais. 

“Alertamos que estar fora do peso é um risco para a saúde dos homens, pois pode desencadear várias doenças como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares, bem como influenciar o surgimento do hipogonadismo em homens maduros, isso porque o excesso de tecido adiposo altera o funcionamento da hipófise e dos testículos, inibindo a produção da testosterona. Esse quadro é mais acentuado a partir dos 45 anos”, reforça o urologista Archimedes Nardozza Jr., presidente da SBU.

Disfunção erétil x obesidade

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública. A projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e mais de 700 milhões, obesos.  

No Brasil, os dados também são preocupantes: a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) aponta que mais de 50% da população está acima do peso.  Além dos demais riscos à saúde, a obesidade na vida sexual diminui a libido e pode causar a disfunção erétil, no homem. 

“A obesidade e o sedentarismo são situações que diminuem a produção de testosterona e aumentam a produção de estrogênio, um hormônio tipicamente feminino mas que atrapalha a fertilidade e o metabolismo da testosterona. Esses pacientes tem uma incidência maior de infertilidade e disfunção erétil”, explica o urologista Danilo Galante.

O especialista destaca que os pacientes que perdem peso, logo apresentam melhora da libido e da disfunção erétil. Contudo, além do emagrecimento, alguns pacientes podem precisar também de terapia sexual, com psicólogo especialista no assunto.

Envelhecimento masculino e o declínio da testosterona

Além da obesidade, o próprio envelhecimento pode causar declínio da testosterona, principalmente após os 40 anos. Popularmente chamado de andropausa, o termo correto é Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM). Isso porque, diferentemente da mulher, não ocorre uma pausa hormonal, e sim o seu déficit gradativo hormonal.  A partir da quarta década, há um declínio do hormônio no homem, em torno de 1% ao ano. 

Outras possíveis causas de baixa testosterona são o uso de alguns medicamentos tarja preta e antidepressivos, como também o tabagismo e alcoolismo.

Tratamento

Diante de qualquer sinal, o indicado é procurar o médico urologista, para uma avaliação clínica completa e realização de exames laboratoriais. “Quando o paciente vem com testosterona baixa, a primeira coisa que oriento é melhorar a qualidade de vida: melhorar o corpo para produzir mais testosterona. Isso inclui sair do sedentarismo, não fumar, não beber, dormir melhor, mas também comer melhor”, explica Danilo.

Não há como evitar o processo natural de envelhecimento humano, mas tem tratamento. “Muitas vezes, só fazendo isso a testosterona aumenta. Contudo, em alguns pode ser feita a reposição de testosterona, seja em gel ou injetável”, explica o profissional.

A terapia de reposição hormonal com testosterona é segura e eficaz, mas deve ser prescrita pelo médico e requer acompanhamento durante o tratamento. “Contudo, é importante destacar que 1/3 dos pacientes que fazem essa terapia podem ter infertilidade”, destaca o profissional.

Referência: Danilo Galante, urologista pela UNESP e especializado em cirurgia robótica.

Referência: SBU

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Sobre o autor

Beatriz Libonati
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em diabetes e obesidade.

Leia também:

Transplante de rim
Saúde

Transplante de rim: órgão doado faz falta? Quem pode doar? Entenda

Indicado para pessoas com doença renal crônica, transplante do novo órgão permite que o corpo volte a filtrar e eliminar líquidos e toxinas

Endometriose e saúde mental
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Endometriose e saúde mental: como cuidar de si mesma?

Desconfortos podem causar uma série de desafios emocionais, por isso é importante cuidar da saúde mental

Que horas o mosquito da dengue mais pica
Saúde

Que horas o mosquito da dengue mais pica?

Veja quais são os principais horários e como se prevenir da doença