Pacientes com diabetes correm duas vezes mais risco de desenvolver casos graves de dengue

Saúde
27 de Fevereiro, 2024
Pacientes com diabetes correm duas vezes mais risco de desenvolver casos graves de dengue

Enquanto os casos de dengue permanecem em alta em todo Brasil, os grupos de risco devem ficar ainda mais atentos para prevenir e tratar a doença. Pacientes com diabetes, no entanto, correm o risco duas vezes maior de desenvolver casos graves da doença, como apontam dados publicados na revista Travel Medicine and Infectious Disease. Na prática, esse aumento representa um risco de internação de 63% comparado a 38% em pacientes sem diabetes. 

A dengue, arbovirose urbana de maior relevância na América Latina, afeta pessoas com e sem diabetes de maneiras semelhantes. Porém, segundo informações da Sociedade Brasileira de Diabetes, o problema é que, assim como outros grupos de risco, em pessoas com diabetes, a dengue aumenta o risco de gravidade e mortalidade. 

Veja também: Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Diabetes e dengue: Sinais de alerta

Para acompanhar a evolução da doença e evitar agravamentos, pacientes com diabetes devem ficar atentos aos sintomas. Em especial, vômitos, dor abdominal intensa, hemorragias, pressão baixa, sonolência e irritabilidade. Além disso, outros sinais também merecem atenção imediata, como desmaios e alterações no nível de consciência.

Na presença de qualquer um desses sintomas, é necessário recorrer à ajuda médica imediatamente, já que, em alguns casos, a internação é uma medida para prestar tratamento adequado. 

Vacinação contra a dengue

Como parte do grupo de risco, pacientes com diabetes também terão preferência na imunização contra a dengue. Contudo, essa medida ainda levará tempo para se concretizar, já que a quantidade de vacinas disponível na rede pública é pequena. Além disso, nesse momento, o Ministério da Saúde priorizou a imunização de crianças e adolescentes até 14 anos. Eles também compõem o grupo de risco, especialmente em áreas com taxas elevadas de dengue.

“O laboratório produtor não tinha disponibilidade de fornecer ao Ministério da Saúde um maior número de doses da vacina este ano”, explica o pediatra e infectologista Marco Aurelio Safadi, coordenador do Departamento de Imunização em Diabetes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Uma opção é recorrer à rede privada para receber a vacina, evitando possíveis complicações.

O tratamento da dengue para pessoas com diabetes muda?

Na prática, o que muda no tratamento de dengue em grupos de risco é o acompanhamento mais próximo da evolução da doença. Como já comentamos, os sinais de alerta servem de indicadores para intensificar os cuidados médicos.

Contudo, de maneira geral, a dengue não possui tratamentos específicos. Em casos leves e moderados, a recuperação da dengue envolve alguns hábitos que ajudam o próprio sistema de defesa do corpo a combater o vírus, como repouso, hidratação e uso de medicamentos (prescritos por médicos) para controlar os sintomas.

Referências: Sociedade Brasileira de Diabetes.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite