Vacinação reduz pela metade o risco de Covid persistente

13 de setembro, 2021

Um estudo realizado pela King’s College de Londres, no Reino Unido, descobriu que o risco de um adulto ter Covid persistente — quando os sintomas perduram por mais tempo — cai pela metade com o esquema vacinal completo. Além disso, a aplicação completa das doses reduz em 73% a probabilidade de hospitalização.

Leia também: Obesidade aumenta em até 4 vezes risco de fatalidade por Covid-19

Vacinação e Covid persistente: Como funcionou o estudo

Os pesquisadores analisaram os dados de 1 240 009 pessoas que tomaram a primeira dose de alguma vacina contra o coronavírus, das quais 971 504 haviam recebido também a segunda injeção.

Desse modo, os participantes registraram eventuais sintomas, testes e o esquema vacinal em um aplicativo que mensura os impactos da Covid-19 no Reino Unido. Ademais, indivíduos não imunizados foram acompanhados para servir como um grupo de controle.

Como resultado, os cientistas perceberam que o surgimento de sintomas em adultos completamente vacinados era menos frequente. Além disso, quando apareciam, esses sinais tendiam a ser mais leves e a desaparecer rapidamente. Isso porque, mesmo se a pessoa desenvolver a Covid-19 após a imunização, muito dificilmente sofrerá com suas consequências de mais longo prazo.

Leia também: Percepção do tempo mudou durante COVID-19, diz estudo

Importância da vacinação completa

Os resultados do estudo, publicados no período científico The Lancet Infectious Diseases, confirmam que o esquema vacinal completo aumenta a resposta imune do organismo contra o Sars-CoV-2, afastando casos graves, sintomas duradouros, hospitalizações e novos óbitos.

No entanto, o artigo inglês faz um alerta a pessoas mais sujeitas a complicações do coronavírus, como os idosos. A idade, aliada a certas condições de saúde, aumenta em até duas vezes a probabilidade de se infectar e adoecer, mesmo após a vacinação. Os pesquisadores sugerem elaborar estratégias específicas para esses públicos, entre elas uma dose de reforço e o controle da disseminação do vírus na comunidade.

Leia também: 82% dos pacientes de covid-19 têm falta de vitamina D, diz estudo

(Fonte: Agência Einstein)