Porque comer vendo TV não é uma boa ideia

17 de abril, 2020

Se você está aproveitando a quarentena para fazer tudo na frente da televisão, inclusive suas refeições, deveria repensar o hábito. Por que? A explicação é simples: ao comer vendo TV, você se distrai e ingere mais do que deveria. 

Segundo um estudo da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, até mesmo o ruído de fundo emitido pelo aparelho desvia a atenção da comida e já é suficiente para estimular você a comer mais. Por outro lado, desacelerar e saborear sua comida pode ajudá-lo a controlar a ingestão e, assim, perceber os sinais de saciedade que o corpo envia. 

Uma equipe da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, vasculhou a literatura médica em busca de estudos que analisaram como a atenção e a memória afetam a alimentação. Todos esses estudos tiveram pelo menos dois grupos, como um grupo que fez uma refeição enquanto assistia televisão e outro que fez a mesma refeição sem televisão.

As análises apontam para duas conclusões principais:

  • Estar distraído ou não prestar atenção a uma refeição tendia a fazer as pessoas comerem mais;
  • Prestar atenção a uma refeição estava ligado a comer menos.

As conclusões fazem sentido. Pois, a fome não é a única coisa que influencia o quanto comemos. Assim, atenção e memória também desempenham papéis. Por exemplo, depois que você começa a comer, leva mais ou menos 20 minutos para o cérebro começar a enviar sinais de “estou cheio” ou “não estou mais com fome” que diminuem o apetite. Ou seja, se você está com pressa ou não está prestando atenção, é fácil ingerir muito mais calorias do que o necessário em 20 minutos.

Comer vendo TV x mindful eating

O mindful eating (comer com atenção plena) faz parte de uma abordagem mais ampla da vida, chamada mindfulness (atenção plena). Portanto, envolve estar plenamente consciente do que está acontecendo dentro e ao seu redor no momento. 

“O mindful eating propõe um desafio à sociedade moderna, sem tempo, para redirecionar, conscientizar e ter plena lucidez ao comer”, diz a Dra. Fernanda Vasconcelos, médica nutróloga do Hospital Santa Cruz, de São Paulo. 

Segundo a especialista, para se comer consciente é preciso perceber as sensações envolvidas em todo o processo do ato de se alimentar, tanto física quanto emocionalmente. Desde a fome, a escolha dos alimentos, o preparo do cardápio e a plenitude quando ficamos satisfeitos após o término da refeição. 

“O método permite ainda a conscientização de si, dos próprios atos, com recuperação de autocontrole e autoconfiança, dando menor chance a comportamentos indesejados, impensados, exageros e compulsões”, garante a especialista. 

Você pode praticar a atenção plena durante qualquer atividade diária – inclusive ao comer. Com isso, a atenção plena inclui observar as cores, cheiros, sabores e texturas dos alimentos. Também significa livrar-se de distrações, como comer vendo TV, lendo ou trabalhando na frente do computador. 

Leia também: Comer rápido engorda?

Dicas de como praticar o mindful eating

Se comer atentamente é um novo conceito para você, comece gradualmente. Coma uma refeição por dia ou semana de maneira mais lenta e atenta. Aqui estão algumas dicas que podem ajudar a iniciar a prática: 

  • Reserve um tempo para fazer uma refeição;
  • Tente comer com a mão não dominante. Se for destro, segure o garfo na mão esquerda ao colocar comida na boca.
  • Coma em silêncio, pensando no que era necessário para produzir essa refeição, desde os raios do sol até o fazendeiro, a mercearia e a cozinheira;
  • Dê pequenas mordidas e mastigue bem;
  • Antes de abrir a geladeira ou o armário, respire fundo e pergunte-se: “Estou com muita fome?” Faça outra coisa, como ler;

Por fim, a alimentação consciente pode reduzir sua ingestão calórica diária. Ao prestar atenção ao que está colocando na boca, é mais provável que faça escolhas alimentares mais saudáveis. Assim, poderá desfrutar de refeições e lanches mais plenamente. 

Leia também: Como treinar o cérebro para comer menos

Sobre o autor

Amanda Figueiredo
Amanda Figueiredo
Jornalista e nutricionista. Editora-chefe e coordenadora de comunicação da Vitat. Especialista em saúde, alimentação saudável/nutrição, fitness, beleza e bem-estar.