Caxumba: sintomas, transmissão, tratamento e prevenção

Saúde
05 de Setembro, 2022
Caxumba: sintomas, transmissão, tratamento e prevenção

Também chamada de papeira, a caxumba é uma infecção mais comum em crianças, mas pode atingir pessoas de qualquer idade. Ela causa bastante incômodo, mas a maioria dos casos costuma ser benigna. A seguir, saiba mais sobre a doença.

Leia mais em: Surdez súbita: Saiba o que fazer caso sua audição suma repentinamente

O que é e o que causa a caxumba?

A caxumba é uma doença infecciosa causada pelo vírus paramyxovirus da classe rubulavirus, que pode atacar qualquer glândula do corpo. Principalmente as localizadas perto do ouvido e as parótidas, que são as maiores glândulas que produzem saliva. Como resultado, a pessoa fica com o pescoço bem inchado, dolorido e com dificuldade para engolir.

Sintomas

Além do aumento das glândulas salivares e do volume da região do pescoço, a caxumba costuma provocar febre, dor de cabeça e fadiga. Essa indisposição geral causa perda de apetite, pois a pessoa também sente dor ao engolir e mastigar. A princípio, a infecção pode afetar apenas as glândulas de um só lado ou ambos.

Diagnóstico

A princípio, a descoberta da caxumba é clínica. O médico observa o inchaço típico da infecção, mas solicita um exame de sangue específico para identificar o vírus e confirmar a suspeita.

Tratamento da caxumba

Por ser uma infecção viral, o próprio organismo consegue combatê-la. Porém, é importante manter a hidratação e a alimentação para reforçar a imunidade nesse processo, além de repouso. Para amenizar os desconfortos, o médico pode prescrever medicamentos para febre e dor.

Perguntas frequentes

Como se contrai a caxumba?

Por ser uma infecção viral, a transmissão da caxumba se dá pelo ar ou pelo contato com pessoas infectadas. Desde o contato direto com a saliva de pacientes até pela disseminação de gotículas no ar (ao tossir, espirrar ou falar) ou, de forma menos comum, com objetos contaminados é o suficiente para contrair a doença.

É possível que os sintomas levem de 12 a 25 dias para se manifestar. Contudo, a transmissão pode ocorrer até uma semana antes da manifestação clínica e até nove após o aparecimento dos sintomas. 

Quem pode ter caxumba?

O problema é mais comum em crianças, mas pode afetar as vias respiratórias e a audição, especialmente nessa faixa etária. Também é possível, independente da idade, que a doença seja assintomática. Dessa maneira, uma vez curada, a pessoa ganha imunidade vitalícia contra o vírus da caxumba.

A caxumba pode ser grave?

Em geral, a pessoa se recupera em até duas semanas sem grandes complicações. No entanto, há casos em que sintomas mais graves podem surgir. Os principais são meningite, encefalite e pancreatite. Tratam-se de inflamações que podem afetar diferentes partes do organismo, do sistema digestivo ao nervoso. Em homens, ainda pode haver orquite (inflamação nos testículos) e nas mulheres mastite ou ooforite (inflamação do tecido mamário e ovários, respectivamente). Outro alerta é para mulheres gestantes, especialmente no primeiro trimestre de gestação: a caxumba pode provocar um aborto espontâneo. Por isso, é importante o acompanhamento médico na recuperação e a procura por atendimento ao notar novos sintomas.

Existe vacina contra a caxumba?

Desde os anos 1970 a vacina contra a caxumba está disponível. O imunizante, inclusive, foi um dos mais rápidos a serem produzidos, tendo sido criado pelo “pai das vacinas modernas”, o microbiólogo Maurice Hilleman. Quando tomamos a tríplice viral, a proteção não é exclusiva para a caxumba, mas também contra o sarampo e a rubéola. A vacina está disponível no SUS e pode ser tomada a partir dos 12 meses de vida, com um reforço aos 15 meses. No caso de adultos (com exceção de mulheres gestantes), se não tomaram ou não se lembram, também é possível receber as duas doses, com um intervalo de um ou dois meses entre elas.

É possível prevenir a infecção de outras formas?

Além da vacina, também vale manter cuidados básicos de higiene, como não compartilhar objetos de uso pessoal, cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar e lavar as mãos. Ambientes compartilhados devem ser bem ventilados e pessoas infectadas precisam ficar isoladas por, pelo menos, 10 dias.

Fontes: Hospital Albert Einstein, Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde do DF.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite