Cáseo amigdaliano: o que são as massinhas brancas na garganta?

1 de julho, 2022

Provavelmente você deve ter ouvido falar ou até pode ter notado algumas massinhas brancas que se formam nas amígdalas. Com aparência de grumos e textura macia, elas são chamadas de cáseo amigdaliano ou caseum, e se acumulam nas criptas das amígdalas, que nada mais são do que pequenos buracos no tecido.

Veja também: Doenças no inverno: quais são as principais e como preveni-las?

Como se formam os cáseos amigdalianos?

As criptas fazem parte das amígdalas. No entanto, algumas pessoas possuem mais criptas e com tamanho maior. “Essa característica favorece o acúmulo de restos de alimentos e saliva, que se tornam alimento para as bactérias presentes naturalmente na boca. Na medida em que esses micro-organismos consomem os resíduos, vão se formando as massinhas”, explica Roberto Beck, médico endocrinologista da Care Club.

O cáseo amigdaliano faz mal à saúde?

Ter um ou mais nódulos não é um problema quando não há um quadro inflamatório, como a amigdalite. A infecção das amígdalas, principalmente se for bacteriana, apresenta risco se não for devidamente tratada. Um deles é o perigo da infecção se espalhar para outros locais. No entanto, na ausência dessas circunstâncias, organismo pode reagir contra o cáseo e gerar uma inflamação ao redor, o que provoca dor local. Além disso, o cáseo amigdaliano costuma ser fétido, porque se trata de resto de alimento fermentado por bactérias. Então, não é raro sofrer mau hálito se as massinhas forem recorrentes.

Como tratar o cáseo amigdaliano?

A maioria dos cáseos se desprendem sozinhos das amígdalas. Mas quando isso não acontece, Beck explica que a melhor forma de remover o cáseo amigdaliano é com o auxílio de um cotonete. “Basta pressionar ao redor da região com cuidado para retirá-lo. Como forma de prevenção, não deixe de escovar os dentes e fazer bochechos regulares, sobretudo após uma refeição”, orienta.

Contudo, há indivíduos que enfrentam episódios repetidos de amigdalite que, como já vimos, pode influenciar o surgimento do cáseo se estiver associada ao tamanho maior das criptas. “Há duas alternativas. A primeira, chamada criptólise, consiste no uso de laser para reduzir o tamanho da cripta da amígdala. No entanto, esse tipo de tratamento não costuma ser muito efetivo. Se as amígdalas são grandes e se inflamam facilmente, a melhor solução é removê-las por meio de cirurgia”, sugere Beck.

Situações que favorecem o acúmulo de detritos nas amígdalas

Já vimos que a falta de higiene e infecções nas amídalas são terreno fértil para os cáseos. Todavia, uso de medicamentos, rinite e sinusite também podem ser responsáveis pela produção da substância viscosa e fedorenta. Afinal, o muco excretado pelas vias aéreas e resquícios de remédios podem se instalar nas criptas e se tornar substrato para as bactérias.

Fonte: Roberto Beck, médico otorrinolaringologista da clínica Care Club, em São Paulo (SP); e médico-assistente do Departamento de Otorrinolaringologia do HC-FMUSP.