Bartolinite: conheça as causas e sintomas da doença ginecológica

11 de abril, 2022

A bartolinite é uma inflamação da glândula de Bartholin, que contribui na lubrificação feminina. A glândula – também chamada de glândulas vestibulares maiores – está localizada na entrada da vagina, entre o hímen e os grandes lábios. “A glândula de Bartholin participa da lubrificação, mas não é a única responsável”, explica Lilian Fiorelli, ginecologista. Dessa forma, levando em conta o fato que a bartolinite pode incomodar quem tem a condição, a retirada da glândula pode trazer benefícios para a qualidade de vida da mulher. Entenda.

Leia mais: Exames ginecológicos: conheça os principais que toda mulher deve fazer

Afinal, o que é a bartolinite?

A inflamação da glândula de Bartholin, chamada de bartolinite, acontece principalmente pela obstrução do canal que secreta líquidos durante a relação sexual. Como consequência, o líquido que fica preso no local forma o cisto de Bartholin. Porém, de acordo com a ginecologista, o cisto não causa grandes desconfortos. Assim, o incômodo é mais estético do que tudo. “Fica apenas assimétrico, mas não oferece riscos”, explica a Dra. Lilian.

As causas da doença ginecológica

É difícil identificar a causa da bartolinite. Assim, geralmente a inflamação foi causada durante uma relação sexual, momento que favorece a chance de exposição à bactérias nessa região. Se a mulher tiver uma tendência à doença, as chances aumentam ainda mais.

Dessa forma, de acordo com a ginecologista, as principais bactérias que causam infecção são próprias da vagina ou sexualmente transmissíveis. “A gente sempre pensa em duas principais: clamídia ou gonorreia. No entanto, a transmissão não se dá apenas via sexual”. Assim, um trauma na região ou até quando a imunidade está baixa podem ocasionar a bartolinite”, completa a ginecologista.

Sintomas da bartolinite

O principal sintoma de bartolinite é, sobretudo, dor no local. Essa dor pode variar desde desconforto até uma dor insuportável, comum em casos em que a infecção é mais proeminente. “Nesse caso, a paciente não consegue andar ou sentar. Além disso, é possível notar um abaulamento na região, ou seja, aspecto inchado semelhante à uma bola. Em casos mais raros, é possível ter, ainda, febre, vermelhidão e sensação de que o local está quente”, explica.

Como diagnosticar e tratar

O exame para diagnosticar a bartolinite é físico, realizado em conjunto com a consulta e avaliação do histórico do paciente. O tratamento, por sua vez, dependerá da causa da doença. A princípio, já que a causa costuma ser infecciosa, é preciso drenar o pus ou bactéria. O procedimento não precisa ser feito em centro cirúrgico, podendo ser realizado em clínicas e laboratórios.

Além disso, a médica recomenda um tratamento caseiro para quem não tem acesso à um médico. Assim, a orientação é utilizar compressa de água quente, pois o aumento da temperatura na região facilita a drenagem espontânea. “Não é uma região fácil de fazer compressa, então eu indico que a paciente utilize uma luva limpa. Assim, ela coloca água quente ali dentro e o dedo da luva anatomicamente consegue entrar na vagina e facilitar a drenagem do abscesso. Eu não indico qualquer tipo de procedimento com lâmina ou corte em casa, pois só aumenta o risco de infecção”, completa.

Fato é que o ideal mesmo é ir até um pronto socorro ou consultório para que a drenagem seja realizada em ambiente médico. É raro, mas quando a mulher tem muito desconforto é preciso fazer em centro cirúrgico. Também não é recomendado tirar a glândula no momento da infecção por meio da cirurgia que leva o nome de marsupialização. Porém, muitas mulheres relatam dor na relação sexual após esse procedimento.

Retirar a glândula cura a bartolinite?

De acordo com a ginecologista, a recomendação é drenar o abcesso e, quando não houver mais sinais de infecção, retirar a glândula. “Geralmente, a cirurgia é recomendada quando a bartolinite ocorre a partir da segunda vez, e não tem problema nenhum retirá-la, pois embora ela ajude na lubrificação, ela não é o ator principal . O que vai acontecer é melhorar a qualidade de vida, pois ela não vai ter novas bartolinites daqui pra frente”, completa.

É possivel prevenir?

Segundo a ginecologista, é dificil prevenir a bartolinite, pois a maioria das pessoas não tem tendência à ter a doença. Porém, já que uma das causas se dá via relação sexual, deve-se tomar cuidado na hora do ato. “O uso da camisinha não é suficiente para prevenir a doença, pois o simples fato de friccionar essa região, mesmo com o uso do preservativo, pode causar infecção. O mais interessante é fazer o tratamento pra ver se nao é o caso de retirar a glandula de Bartholin”, explica.

Dra. Lilian Fiorelli, médica ginecologista especialista em Sexualidade Feminina e Uroginecologia pela USP.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde