Efeitos dos alimentos ultraprocessados na saúde mental

Alimentação Bem-estar Equilíbrio
10 de Outubro, 2022
Efeitos dos alimentos ultraprocessados na saúde mental

Com a rotina agitada, é comum optar por lanchinhos prontos e rápidos para “matar” a fome. Mas você sabia que a alimentação impacta – de forma positiva ou negativa – não só a nossa saúde física, como também a saúde mental? Um estudo recente mostrou os efeitos dos alimentos ultraprocessados na mente. Assim, continue lendo para saber mais!

Efeitos dos alimentos ultraprocessados: sintomas depressivos e ansiosos

O artigo científico, publicado na revista Nutrients, mostrou como o consumo de alimentos ultraprocessados pode estar associado a doenças mentais como depressão, ansiedade e outros transtornos. O texto “Ultra-Processed Food Consumption and Mental Health: A Systematic Review and Meta-Analysis of Observational Studies”, mostra que o maior consumo de alimentos ultraprocessados foi transversalmente associado a maiores chances de sintomas depressivos e ansiosos.

Segundo o artigo, os transtornos mentais estão entre as principais doenças no mundo. Além disso, um relatório recente do Global Burden of Disease Study observou que, apesar da maior disponibilidade de tratamentos (por exemplo, aumento de prescrições), não houve redução na carga de transtornos mentais desde 1990. Desse modo, a má qualidade da alimentação é um alto fator de risco para o desenvolvimento dessas doenças.

De acordo com Laís Murta, nutricionista e mestranda pelo Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa, os alimentos ultraprocessados alteram a flora intestinal causando um desequilíbrio que prejudica a saúde como um todo, inclusive a saúde mental. “A alimentação é o principal modulador da microbiota intestinal, uma vez que fornece os substratos energéticos (alimentos) para as bactérias simbióticas (boas), promovendo o equilíbrio da microbiota”, explica a especialista.

Leia também: Frutas e vegetais beneficiam a saúde mental das crianças

Quais são os alimentos ultraprocessados?

Geralmente, os alimentos ultraprocessados são formulações industriais elaboradas com partes de alimentos. Geralmente são mais convenientes, sem a necessidade de cozimento ou preparo. Por exemplo, os sucos artificiais, embutidos, pratos prontos, bolachas e cereais matinais. “O problema é que o consumo excessivo desses alimentos está cada vez mais associado a doenças crônicas, cardiovasculares e, com cada vez mais dados científicos, aos transtornos mentais”, acrescenta Laís.

Opte por alimentos saudáveis

Para corrigir esses desequilíbrios e evitar os efeitos dos alimentos ultraprocessados, uma alimentação saudável e equilibrada, com mais “comida de verdade” é a principal estratégia. “Por isso sempre digo que é importante ‘descascar mais e desembrulhar menos’. São nos alimentos in natura e naqueles minimamente processados (mais naturais, sem conservantes e aditivos) que encontramos mais vitaminas, polifenóis e outros nutrientes fundamentais para o equilíbrio do organismo”, afirma a nutricionista.

Assim, nutrientes como Vitamina B6, Vitamina D, Zinco, Ômega 3, Ômega 6, Vitamina B9 e Vitamina B12 são muito importantes para o bom funcionamento do sistema nervoso central. Dessa maneira, eles podem ser encontrados em:

  • Gorduras ômega-3: são encontradas em peixes de água fria e oleosos como salmão (selvagem), cavala e sardinha. Além disso, em sementes como semente de linhaça e semente de chia.
  • Alimentos fermentados: iogurte, kefir, chucrute e queijos “vivos” contêm micróbios saudáveis. Esse tipo de alimento demonstrou ser benéfico para saúde mental.
  •  Alimentos ricos em fibras e carboidratos complexos: grãos integrais, nozes, sementes, frutas e vegetais contêm fibras prebióticas que servem de “alimento” para as bactérias intestinais. Os prebióticos podem reduzir o hormônio do estresse em humanos, através da melhora do equilíbrio da microbiota intestinal.
  • Alimentos ricos em polifenóis: cacau, chá verde, azeite e café contêm polifenóis que são substâncias que também servem de prebióticos, melhorando a composição da microbiota.
  • Alimentos ricos em triptofano: Peru, ovos, grão de bico e queijo são alimentos ricos em triptofano, aminoácido que é convertido no neurotransmissor serotonina.

Fonte: Laís Murta, nutricionista e mestranda pelo Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher madura comendo uma maçã ao ar livre. Ela está de óculos de sol e tem uma toalha apoiada nos ombros
Alimentação Bem-estar

Dieta ideal para menopausa: o que (e quanto) consumir?

Artigo publicado na revista Nature mostra quais itens consumir (e quais evitar) em uma dieta para aliviar os incômodos da menopausa

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?
Alimentação Bem-estar Saúde

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?

O ômega 3 é considerado um nutriente essencial para uma dieta saudável e balanceada

Tipos de laranja
Alimentação Bem-estar

Tipos de laranja: conheça as diferenças e benefícios de cada um

Além de possuir vitamina C, a frutinha é rica em fibras que trazem benefícios para a saúde intestinal