Vontade de comer ou compulsão alimentar: como diferenciar?

Alimentação Bem-estar Equilíbrio
28 de Junho, 2022
Vontade de comer ou compulsão alimentar: como diferenciar?

Diante da correria do dia a dia e das adversidades que acabam surgindo, não é incomum sentirmos desejo por alguns alimentos — quem nunca recorreu a um pedaço de bolo para aliviar um dia ruim, não é mesmo? Essa prática não é prejudicial (pelo contrário, pode ser muito reconfortante!), mas deve ser analisada com consciência. Isso porque a linha entre vontade de comer e compulsão alimentar pode ser tênue em alguns casos. E aí, como diferenciar? Veja o que dizem os especialistas:

O que é a vontade de comer?

De acordo com a médica nutróloga Dra Fernanda Cortez, “existe a fome fisiológica (a ‘normal’), que ocorre quando o corpo realmente precisa se alimentar. Os sinais mais claros são tontura e dores na cabeça e no estômago”, explica. Ainda segundo ela, uma pessoa com fome fisiológica não costuma escolher demais a comida que irá saciar a sua fome, já que o corpo demanda apenas alimentos, sem especificidades.

Por outro lado, a fome emocional é um pouco diferente. “Acontece, por exemplo, quando a pessoa está passando por algum momento de estresse e acaba com desejo de comer por ansiedade, tristeza ou raiva”, diz a especialista.

É aí que a vontade de comer alguma coisa mais específica surge — isso porque provavelmente ela gera prazer e conforto para esse indivíduo. “Esses alimentos, na maioria das vezes, têm maiores índices de gordura, açúcar e carboidrato”, explica.

A vontade de comer algo específico (ou seja, a fome emocional) também pode aparecer em momentos de alegria. Não é à toa, então, que reuniões em família, datas comemorativas, casamentos e outras festividades são sempre acompanhadas de muitos pratos gostosos.

Leia também: Fome emocional em crianças durante a quarentena

Vontade de comer ou compulsão alimentar?

Tanto a fome emocional quanto a vontade de comer acontecem com todas as pessoas e não significam, necessariamente, que há algo errado. Afinal, a comida pode ter outros significados além de nutrir o corpo — como já explicado anteriormente.

O problema surge quando esse desejo gera, com frequência, sentimento extremo de culpa, episódios de ingestão exagerada de alimentos e outros comportamentos prejudiciais, como indução do vômito, jejuns prolongados ou prática intensa de exercícios físicos como formas de compensar o que foi consumido. Nesses casos, há a possibilidade de estarmos diante de um quadro de compulsão alimentar.

“Em geral, a pessoa compulsiva perde o controle sobre o que e quanto ela está ingerindo. Esse transtorno alimentar é sempre uma representação mental/psicológica de alguma coisa que a pessoa já passou ou passa na vida, e períodos mais estressantes podem potencializar o problema”, afirma o psicólogo Alexander Bez.

Leia também: Mindful Eating: O método que ensina a comer de forma consciente

Como identificar a compulsão alimentar?

Os episódios compulsivos têm algumas características típicas, como:

  • Comer rapidamente;
  • Ingerir alimentos até ficar desconfortável ou passar mal;
  • Comer sem sentir fome;
  • Esconder comida para episódios de voracidade;
  • Não ter paciência para preparar a comida, e acabar consumindo alimentos frios ou crus.

Vale lembrar que, apesar das dicas, o diagnóstico é clínico, ou seja, somente um médico e um psicólogo podem bater o martelo. Da mesma forma, o tratamento deve incluir o acompanhamento de profissionais de diferentes áreas — e, em alguns casos, envolve o uso de medicamentos.

“É necessário investigar os sentimentos e as emoções ligados à ingestão de determinados alimentos e tratá-los”, finaliza a nutróloga.

Fontes:

  • Fernanda Cortez, nutróloga, ortomolecular e pós-graduada em Nutrologia pela ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia);
  • Alexander Bez, psicólogo, especialista em Relacionamentos pela Universidade de Miami (UM), especialista em Ansiedade e Síndrome do Pânico pela Universidade da Califórnia (UCLA) e especialista em Saúde Mental.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

dieta do óleo de coco
Alimentação Bem-estar

Dieta do óleo de coco: o que é, riscos e cardápio

Na prática, os benefícios da dieta do óleo de coco estão em sua ação no organismo. Saiba mais

mulher correndo na esteira da academia. Ela usa um véu na cabeça
Bem-estar Movimento

Qual cardio queima mais calorias? Especialista responde

Corrida, bike, natação… Você já se perguntou qual tipo de cardio queima mais calorias? Profissional de educação física responde