Vacina contra febre maculosa: estudos avançam no país

Saúde
15 de Junho, 2023
Vacina contra febre maculosa: estudos avançam no país

Um estudo conduzido na Universidade de São Paulo (USP) e divulgado na revista Parasites & Vectors aponta um potencial alvo para o desenvolvimento de uma vacina contra a febre maculosa.

No Brasil, a doença é causada pela bactéria Rickettsia rickettsii. E transmitida principalmente pelo carrapato-estrela, comum na região do Cerrado e em áreas degradadas da Mata Atlântica. Segundo dados do Ministério da Saúde, nos últimos três anos, houve, em média, 160 casos por ano, com letalidade de cerca de 28%.

Além disso, o Instituto Adolfo Lutz confirmou três mortes decorrentes da infecção nesta semana em São Paulo. As três vítimas estiveram em um mesmo evento realizado na região de Campinas no dia 8 de junho.

A doença tem como principais sintomas febre alta e súbita, dor de cabeça, abdominal e muscular. Pode haver erupções no local da picada do carrapato. Assim, recomenda-se o tratamento imediato com antibióticos para evitar o agravamento do quadro.

Leia também: Febre maculosa: conheça os riscos da doença que matou casal em SP

Vacina contra a febre maculosa

Estudos anteriores do mesmo grupo da USP, sediado no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), já haviam mostrado que, ao infectar o carrapato-estrela, a Rickettsia rickettsii é capaz de inibir no hospedeiro um processo chamado apoptose (que é a morte programada das células do aracnídeo), favorecendo seu crescimento. Essa “sobrevida” dá à bactéria tempo para se proliferar e infectar novas células.

No trabalho mais recente, a ideia foi silenciar a expressão gênica da principal proteína inibidora da apoptose, a IAP (do inglês, inhibitor of apoptosis protein), com o objetivo de reduzir o crescimento da bactéria e tornar o carrapato-estrela mais resistente à infecção. Para isso, a alimentação dos aracnídeos foi reproduzida em laboratório, com sangue de coelhos infectados e não infectados por R. rickettsii.

“Observamos que, independentemente da infecção, os carrapatos morriam ao se alimentar, destacando a importância da IAP para sua sobrevivência”, explica Andréa Cristina Fogaça, professora do Departamento de Parasitologia do ICB-USP e coordenadora do estudo. “Essa informação sugere algo ainda mais interessante do que apenas bloquear a infecção: é possível conter e diminuir a densidade populacional do hospedeiro.”

As taxas de mortalidade dos carrapatos-estrela durante o experimento ficaram acima de 92%. Esses resultados sugerem que a alimentação do carrapato, independentemente de estar infectado, gera radicais livres que ativam a apoptose. Com a IAP silenciada, os carrapatos não conseguem sobreviver.

Leia também: Casos de febre maculosa chegam a 53, com 8 mortes

Foco no hospedeiro

A importância de centrar esforços científicos no carrapato-estrela para criar uma possível vacina contra a febre maculosa é simples. “Além de transmissor, o carrapato funciona como um reservatório de Rickettsia rickettsii no ambiente”, explica Fogaça. “Uma vez infectada, a fêmea pode fazer a transmissão para a prole, mantendo a bactéria ativa por gerações consecutivas nas populações de carrapatos.”

Os próximos passos da pesquisa são confirmar que a alimentação sanguínea é realmente o fator que promove a apoptose pela produção de espécies reativas de oxigênio e, possivelmente, expandir os experimentos para outras espécies de carrapato.

Além da importância médica, com a diminuição da transmissão da bactéria para seres humanos, a pesquisadora destaca o impacto econômico que uma vacina capaz de diminuir a densidade populacional do carrapato-estrela teria na pecuária. Por se tratar de uma espécie sem preferência de alimentação determinada, o aracnídeo afeta também outros animais que estejam à disposição, como o gado, causando anemia e marcando seu couro. Apesar de ainda não haver estimativa de valores de prejuízos para a atividade, já há relatos de aumento da infestação.

Fonte: Agência FAPESP.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Medir a pressão arterial
Saúde

Medir a pressão arterial: veja novas recomendações

Veja novas recomendações da Sociedade Brasileira de Cardiologia

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas