Técnica do charutinho: saiba por que ela é arriscada para o bebê

Embora seja uma tradicional e utilizada durante muitas gerações para acalmar bebês agitados, a técnica do charutinho possui algumas contraindicações dependendo da idade. A prática consiste em acomodar o bebê em um cueiro ou manta de forma apertada, com o objetivo de “imitar” o ambiente acolhedor do útero. A famosa técnica também conhecida como casulo ou ninho.

Mas quais são os riscos de enrolar o bebê na técnica do charutinho?

Até os três meses de vida, não há com o que se preocupar. Pelo contrário: envolver o bebê dessa maneira ajuda a acalmá-lo. Há estudos que atestam que o charutinho nessa fase pode ajudar no desenvolvimento de bebês prematuros, além de aliviar o estresse dos pequenos que precisam permanecer em uma UTI neonatal. 

Entretanto, conforme o bebê se desenvolve, o método pode favorecer  a Síndrome da Morte Súbita Infantil (SMSI), mais comum a partir dos seis meses de vida, principalmente se a criança dormir de bruços ou de lado. É o que sugere um estudo da Universidade de Bristol, no Reino Unido, publicado no periódico Pediatrics

Outra conclusão é que, nesse período, os pequenos começam a ficar mais ativos e a se mexer mais. Portanto, ao limitar seus movimentos, o bebê pode se agitar, rolar e se enroscar na manta, o que aumenta as chances de asfixia, engasgos e problemas respiratórios. Também existe o perigo da desidratação: o calor da manta associado à técnica aumenta as chances de hipertermia, que é o aumento brusco da temperatura corporal. 

Leia também: Vacinas para crianças: quais são as principais?

Como acalmar o seu bebê de forma segura

Nós sabemos que os primeiros meses de vida de um bebê costumam ser desafiantes, principalmente por causa da instabilidade do sono. Veja algumas formas de ninar o pequeno e ajudá-lo a ter um descanso tranquilo sem precisar da técnica do charutinho.

  • Sling: o acessório é uma tipoia que se ajusta ao bebê para aproximá-lo da mãe. Nele, o bebê fica deitado de forma confortável, como se estivesse em um casulo, com a vantagem de ser assistido por quem o está carregando. O sling também é chamado de carregador de bebê e saco de dormir, e faz parte de muitas culturas. 
  • Ambiente aconchegante: o quartinho ou local de dormir do bebê precisa ser tranquilo, com o mínimo de ruídos possível e com temperatura agradável. O ambiente também pode ser preparado com difusores que levam óleos essenciais. Os de lavanda e camomila possuem propriedades calmantes que ajudam a dormir.
  • Banhos com massagens relaxantes: antes de dormir, tente dar um banho morno no bebê e faça massagens circulares e leves. O toque gentil alivia as tensões e estimula o sono do bebê.
  • Amamentação antes de dormir: o contato com o calor, amor e leite materno tornam o momento propício para o bebê ficar mais calmo, principalmente perto da hora de dormir.

Outras dicas para a segurança do seu bebê durante o sono

  • Não cubra a cabeça do bebê: muitas mães têm receio que o pequeno sinta frio. Mas o bebê precisa estar com as vias respiratórias livres para evitar asfixias e o risco de SMSI. 
  • Remova quaisquer objetos do berço: colchas, edredons, protetores de berço e travesseiros extras podem sufocar o bebê. Utilize um lençol com elástico para cobrir o colchão e coloque roupas que deixem o bebê aquecido. 
  • Por fim, durma perto do bebê: colocar o berço do bebê em seu quarto nos primeiros meses de vida é capaz de reduzir pela metade o risco de SMSI. Dessa forma, é possível acompanhar de perto e socorrer o bebê se houver algum problema durante a noite.

Fonte: Patrícia Terrivel, pediatra e neonatologista, membro do departamento de aleitamento materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.