Secador de mãos faz mal? Vídeo no TikTok surpreende com teste

15 de julho, 2022

Alternativa econômica às toalhas de papel, o secador de mãos ganhou destaque após um vídeo viralizar no TikTok. Nele, uma pessoa coleta as amostras dos jatos de ar de diversos equipamentos e do ambiente onde estavam instalados para acompanhar o desenvolvimento de micro-organismos. Após alguns dias, resultado é surpreendente: quase todas coletas criaram uma ampla cultura de bactérias e até bolor. Ou seja, isso indica que secador de mãos é um agente catalisador de bactérias, vírus e outros organismos microscópicos. O vídeo, que pertence ao perfil PhoneSoap, acumula mais de 7 milhões de visualizações e com milhares de pessoas comentando que irão abandonar o uso do secador de mãos.

Veja também: Churrasqueira em apartamento: a fumaça é prejudicial à saúde?

Mas o aparelho pode fazer tanto mal assim?

De acordo com Cláudia Maekawa Maruyama, infectologista da rede de hospitais São Camilo (SP), realmente existem estudos que comprovam o fato. “O fluxo de ar da secagem das mãos pode dispersar bactérias para o ar e para as roupas. Além da velocidade do ar, o tempo de exposição ao jato colabora para isso. Mesmo assim, muitas pessoas ainda saem com as mãos úmidas e não finalizam o processo adequado da higienização”, explica.

Apesar disso, a especialista alega que não há motivos para se preocupar. “Se fosse um ambiente de serviço de saúde (um ambulatório, por exemplo), certamente a recomendação seria o uso de papel toalha para a secagem das mãos”, comenta. Contudo, o vídeo não deixa de ser um alerta de quão estamos expostos a micro-organismos e sequer percebemos. Por isso, você pode substituir o secador de mãos pelas consagradas toalhas de papel após lavar bem as mãos. Mas, vale reforçar que a secagem precisa ser completa, sem deixar resquícios de água. “Afinal, é na hora de secar as mãos que eliminamos o restante de micro-organismos e sujidades da pele”, conclui Cláudia.

Como o secador de mãos espalha bactérias

A princípio, o equipamento utiliza o ar do local para criar o fluxo concentrado da secagem. No entanto, o ambiente onde ele está inserido — banheiros são a maioria — é um celeiro de bactérias variadas. A começar pelos coliformes fecais que circulam pelo ar, somados às gotículas de respiração das pessoas que frequentam o banheiro e outros agentes. Por isso, outra dica ao frequentar banheiros públicos é puxar a descarga com a tampa do vaso sanitário fechada. Assim, evita-se que os coliformes e outros organismos ampliem a circulação no ar.

Fonte: Cláudia Maekawa Maruyama, médica infectologista da rede de hospitais São Camilo de SP.